O ecossistema de inovação de Joinville ganha um impulso, neste mês de março, com a expansão do Ágora Tech Park, que anunciou simultaneamente dois prédios neste domingo (28), dia em que completa dois anos de atividade.

Ao todo, a expansão deve significar em torno de 30 novas empresas no espaço - que conta com uma área total construída de 14 mil m2 - muitas delas já em atividade desde o início do ano.

Quando foi inaugurado, há exatos dois anos, o Ágora Tech Park representou a "materialização" do ecossistema da maior cidade e "capital industrial" de Santa Catarina.

No primeiro prédio, o Ágora HUB, se concentram os principais players deste setor: instituições como Acate, Fiesc, Sebrae/SC e Associação Brasileira de Internet Industrial, laboratórios de inovação de grandes empresas, startups, incubadora e coworking.

Foto Divulgação

No segundo prédio, o Ágora MOB, estarão presentes empresas de tecnologia e de diversos outros segmentos em conexão com startups, mentores e investidores para desenvolver projetos de open innovation e inteligência estratégica, além de expansão comercial.

É o caso da Schulz (maior fabricante de compressores de ar da América Latina), da startup Transfeera, da multinacional de engenharia Buhler e da desenvolvedora de ERPs Sanhkya, entre outras.

Antes mesmo do prédio ser entregue, a taxa de ocupação já era de 65%.

Outra novidade na infraestrutura do parque tecnológico é o Ágora DAT, um data center de última geração, com certificação TIER nível III e investimento superior a R$ 20 milhões feito pela Armazém Data Center.

Trata-se do único datacenter privado, no sul do Brasil, a obter certificação TIER III de design e facility - o prédio está pronto e a operação deve iniciar nas próximas semanas.

Com os novos empreendimentos, o volume de pessoas trabalhando no parque tecnológico deve dobrar (serão cerca de 600 colaboradores).

Foto Divulgação

Um número que deve ser ainda maior no pós-pandemia, comenta o diretor executivo do Ágora, Jean Vogel.

"Nos primeiros meses de atividade, antes da Covid, chegamos a ter uma média de um evento por dia no Ágora. O parque se tornou um ponto de encontro do ecossistema e, a partir da expansão, esta tendência será acentuada, especialmente quando os eventos presenciais voltarem".

O masterplan prevê a construção de outros seis prédios ao longo de oito anos.

Mesmo com as limitações da pandemia, o Ágora é também um espaço de formação de novos empreendedores: por meio do programa NaSCer, da Fapesc e Sebrae/SC, e que é operado em Joinville pelo parque tecnológico foram graduadas 17 startups em duas turmas ao longo dos últimos meses.

E em abril inicia a primeira turma da incubadora Softville Ágora, referência no desenvolvimento de startups na região e que faz parte de rede estadual com apoio do Sebrae/SC e metodologia da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate).