Água, saneamento básico e energia elétrica, três itens de infraestrutura considerados fundamentais ao desenvolvimento de Jaraguá do Sul e região foram pauta do Encontro Empresarial da Associação Empresarial, na noite de segunda-feira (25).

A reunião dá sequência à agenda que a entidade vem cumprindo com o objetivo de debater assuntos que impactam no dia a dia das empresas, mas também seus reflexos na comunidade.

Para falar sobre os dois temas foram convidados o presidente do Samae, Ademir Izidoro, e o gerente do Núcleo da Celesc, Wagner Felipe Vogel.

A entidade tem cobrado com frequência investimentos em expansão da rede de distribuição, aumentando a capacidade de fornecimento para a indústria da região. Embora a capacidade de abastecimento de energia não esteja comprometida no momento, há preocupação com o aumento da demanda com a retomada de produção.

Segundo Vogel, não há no momento risco de falta de energia na região. " Não enxergamos risco de não atender as demandas locais. Caso a economia dispare, a Celesc certamente responderá com investimentos, se estes forem acima dos nossos planos atuais", explica.

O órgão prevê para os próximos anos a ampliação das subestações Rio da Luz, Nereu Ramos e Jaraguá do Sul.

Em relação ao Samae, a entidade cobra que se amplie o índice de saneamento e se assegure maior capacidade de abastecimento.

O órgão prevê R$ 55 milhões em investimentos para o ano de 2019 e 2020, incluindo a construção de oito reservatórios de água, no valor de R$ 4,3 milhões, aumentando a capacidade de abastecimento em 6 milhões de m³, e a construção de duas estações de bombeamento de água da ETA Central para os dois bairros, no valor de R$ 5 milhões.

Também estão previstos R$ 15 milhões durante o ano em equipamentos para reduzir o índice de perda de água tratada, que hoje está em 34%.

O objetivo é diminuir para menos de 28% ainda em 2019, e um investimento de R$ 7,5 milhões na Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Água Verde.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?