As ofertas públicas iniciais (IPOs) de ações de empresas brasileiras já levantaram mais de R$ 57 bilhões até agora neste ano, de acordo com dados compilados pela Bloomberg, com os juros baixos levando os investidores a alternativas mais arriscadas em busca de maior retorno.

Este é o o melhor resultado do mercado até agora. A contagem em 2021 supera o recorde anterior de R$ 53,6 bilhões em 2007, quando 60 empresas abriram o capital.

A Raízen (RAIZ4), uma joint-venture entre a Royal Dutch Shell e a Cosan (CSAN3), definiu o preço de sua ação na oferta pública a R$ 7,40 nesta terça-feira (3) no piso da faixa indicativa, e as ações começarão a ser negociadas na quinta-feira (5). Este é o maior IPO da América Latina no ano.

O volume de IPOs brasileiros aumentou mais de 400% neste ano até o começo de agosto em relação ao mesmo período de 2020, em comparação com um aumento de 110% para empresas sediadas nos EUA, mostram dados da Bloomberg. Esses dados excluem SPACs, os veículos de propósito específico para aquisições e investimentos.