A economia não para, e está em constante mudança. E sempre com o mesmo propósito, conseguir um lucro no final do dia. Nesse aspeto, as empresas têm de saber constantemente adaptar-se e apostar em novas estratégias e novos métodos para sobreviver. Você pode fazer essas jogadas, se desejar, sugerimos nossa aposta codigo bonus para maximizar suas chances.

Voltando às empresas, os avanços tecnológicos desenvolvidos ao longo dos anos melhoraram significativamente a forma de operar das empresas e reduziram o custo dos negócios. Atualmente, com apenas alguns técnicos pode-se controlar sistemas robóticos que podem operar uma fábrica inteira, e sistemas de inventário são capazes de fornecer as peças ou ferramentas necessárias em pouco tempo para montagem numa linha de montagem. Mas isto não significa mais desemprego, pois os avanços na indústria de computadores, juntamente com os avanços nas telecomunicações, criaram novas oportunidades de emprego e fortaleceram o crescimento econômico.

As barreiras físicas à comunicação à distância foram destruídas adequadamente pela Internet, uma após uma. De maneira semelhante, as empresas de transformação e de bens de consumo desenvolveram ligações on-line para os seus fornecedores bem como para o seu suporte ao cliente. Os fornecedores podem acompanhar a eficiência da linha de produção por meios de sistemas automatizados e podem enviar com mais eficiência as peças e materiais para os locais necessários, reduzindo os estoques e o tempo de inatividade e de espera. Além disso, os recursos de comércio eletrônico e serviços bancários on-line também ajudaram a reduzir o custo dos negócios, bem como a rapidez dos negócios.

Neste novo contexto, e dado o surgimento acelerado dos novos produtos e modelos de negócios disruptivos, bem como o poder transformador das tecnologias digitais nos negócios e na sociedade, os executivos devem ser capazes de dominar a “economia tecnológica” global, sendo capazes de detetar o impacto econômico das mudanças tecnológicas e responder com velocidade às ditas mudanças.

Muitas pesquisas de algumas entidades conceituadas, como o BCG, FMI e Fórum Econômico Mundial, mostram que quando as empresas reduzem os investimentos em tecnologia com o objetivo de aumentar os lucros, o resultado é o oposto: os lucros diminuem significativamente e, como efeito colateral, uma reação em cadeia começa com a queda da produtividade da empresa após alguns anos.

Tudo o que as empresas estão fazendo é reduzir num investimento importante que poderá criar a próxima onda de crescimento e, em muitos casos, esse investimento pode gerar uma enorme alavancagem, ajudando a reduzir custos e despesas, numa escala muito maior do que os gastos iniciais com tecnologia. Mas as empresas só podem conseguir isso gerenciando adequadamente seus gastos com tecnologia. Para fazer isso, os executivos necessitam de novas métricas e novas formas de pensar. Para navegar com êxito no cenário econômico tecnológico e alavancar o desempenho ideal dos negócios, os executivos devem criar, medir e acompanhar as medidas econômicas virtuais com o mesmo cuidado com que seguem as métricas sobre o mundo físico e mais tradicional

Por isso os responsáveis das empresas, se querem sobreviver num mercado cada vez mais tecnológico e informatizado, devem saber lidar com a tecnologia que tem disponível, olhar para ela como um investimento de grande potencial, e não se deixar amedrontar com o medo do desconhecido. Poderá ser a diferença entre sobreviver e vencer.