73% dos jovens fora da escola querem concluir estudos, mostra pesquisa

Foto: Gabriel Jabur/Agência Brasília.

Por: Pedro Leal

18/03/2024 - 14:03 - Atualizada em: 18/03/2024 - 14:08

Jovens que abandonaram as salas de aula querem retomar os estudos na busca de melhores oportunidades no mercado de trabalho. Isto é o mostra a pesquisa Juventudes Fora da Escola, do Itaú Educação e Trabalho e da Fundação Roberto Marinho, divulgada no dia 11 de março. O levantamento ouviu 1,6 mil jovens entre 15 e 29 anos em todo o país e 73% deles disseram que pretendem concluir a educação básica.

Entre as principais razões para terminar o ensino, os jovens apontam a perspectiva de melhora da condição profissional, seja para ter um emprego melhor (37%) ou arrumar um emprego (15%), seguida pelo desejo de cursar uma faculdade (28%). A pesquisa revela que 62% optaria por aulas noturnas.

“Fica evidente que o trabalho é a chave das escolhas destes jovens. A maioria daqueles que abandonaram a sala de aula foi em busca de trabalho e renda. E, quem quer retomar os estudos, quer também melhores oportunidades no mercado de trabalho ou até mesmo ser inserido nele. Para que isso ocorra, é fundamental uma educação conectada com a realidade enfrentada por estes jovens”, avalia o diretor de educação e tecnologia da FIESC, Fabrizio Machado Pereira.

Um modelo exclusivo, desenvolvido pelo SESI, tem facilitado o acesso e a conclusão da educação básica para jovens e adultos: 80% das aulas são realizadas a distância, em um ambiente virtual amigável e acessível em computadores e smartphones. “Certificamos os conhecimentos adquiridos pelo estudante durante a sua vida profissional, reduzindo significativamente as taxas de evasão no modelo que desenvolvemos”, explica o gerente de educação básica do SESI, Thiago Korb. Em 2023, a entidade atendeu 12,9 mil jovens e adultos em cursos de educação básica em Santa Catarina.

Outro dado relevante da pesquisa é que 77% dos jovens que deixaram a escola e pretendem concluir o ensino médio têm interesse no ensino técnico. No SESI, por exemplo, o ensino para jovens e adultos proporciona, além da formação básica, também a qualificação profissional com cursos do SENAI, conferindo dupla certificação ao final da formação. Por isso, o programa é chamado de EJA Profissionalizante.

Parceria com o poder executivo

Apesar de direcionar o atendimento gratuito a trabalhadores da indústria, outra estratégia do SESI tem ampliado o acesso de jovens e adultos à conclusão da educação básica. É a parceria com prefeituras para a realização das aulas. Nos últimos dois anos, mais de 5,6 mil alunos foram atendidos por meio dessa cooperação. “Atualmente atendemos 19 prefeituras com a oferta de ensino fundamental a partir dos 15 anos e ensino médio a partir dos 18 anos. Geralmente, as aulas ocorrem em escolas públicas ou até mesmo nas unidades do SESI, preparando a força de trabalho local para que possa ser inserida na indústria”, destaca Korb.

As inscrições para a EJA Profissionalizante podem ser feitas AQUI.

No Brasil, 9,8 milhões de jovens, de 15 a 29 anos não concluíram a educação básica e não frequentam escolas, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2022.