Em clima de “festa literária”, Jaraguá do sul se despede da Bienal Internacional do Livro

Divulgação/Acijs

Por: Pedro Leal

30/10/2023 - 12:10 - Atualizada em: 30/10/2023 - 12:45

Mesmo com dias chuvosos na maior parte da programação, a Bienal Internacional do Livro chegou ao fim, no domingo (29), deixando no ar um ‘gostinho de quero mais’. Uma agenda intensa, que envolveu públicos de todas as idades e ocupou uma área de cerca de 20 mil metros quadrados nos prédios do Centro Cultural da SCAR e Centro Empresarial, além dos espaços externos. A Bienal Internacional do Livro tem sua próxima edição em 2025.

Foram 11 dias movimentando crianças e adultos em 12 palestras, mais de 40 contações de história, lançamentos de livros, sessões de autógrafos, e 15 espetáculos teatrais, além de apresentações culturais de dança e música em 130 horas de programação. Com todas as atividades com acesso gratuito, a Bienal Internacional reuniu autores de renome nacional e internacional, aproximando leitores e escritores, consagrando todas as vertentes da literatura e oportunizando debates sobre tendências da arte e da cultura, empreendedorismo e negócios, tecnologia, diversidade e saúde mental, entre outros temas.

Com o tema “Como viver junto”, o evento foi uma celebração ao que Jaraguá do Sul faz de melhor: a mobilização da comunidade em torno de projetos que agregam dinamismo e mobilidade social. Nesta primeira edição, o evento homenageou a presença de húngaros na construção da cidade, representados por mais de 15 mil descendentes que formam um mosaico étnico-cultural importante para o desenvolvimento econômico e social do município e região.

Valorizando a multi culturalidade e variedades de abordagens que extrapolam o ambiente literário, a Bienal trouxe a inédita presença em Santa Catarina de nomes como Krisztina Tóth, escritora húngara que lançou seu primeiro livro traduzido para o português, e András Szántó, um dos mais importantes consultores em arte e museus do mundo. Ao mesmo tempo, também contou com a presença de escritores dedicados a assuntos ligados ao mundo corporativo, da governança empresarial, gestão de pessoas, planejamento financeiro e da tecnologia aplicada aos negócios, como Nathália Rodrigues (Nath Finanças), Clarice Martins Costa, Christian Dunker, Martha Gabriel, Nuno Ramos, Carolina Casarin, Natália Timerman, Alê Garcia, Pedro Augusto Baía e Zsuzsanna Spiry. Além dos catarinenses Ieda Magri, Michelli Provensi, Fernando Boppré e Sidnei Marcelo Lopes.

Acijs celebra “novo patamar em eventos culturais”

No encerramento da Bienal, no domingo, o diretor de Programação Artística e Internacional, Carlos Henrique Schroeder, definiu motivos do sucesso do evento, destacando “parceiros e amigos que fizeram parte desta trajetória. Schroeder enalteceu as parcerias com SCAR e Acijs e patrocinadores, “além do entusiasmo de todos da prefeitura e governo do Estado. E as pessoas mais importantes: o público que prestigiou todas as atrações. Deixamos um legado. Estamos muito orgulhosos”, comemorou. “A programação permitiu o diálogo entre diferentes áreas, trouxemos assuntos que são essenciais hoje para o desenvolvimento cultural e econômico. Pensamos em conectar as características de Jaraguá do Sul, um município marcado pela cultura e pelo empreendedorismo”, reafirma o coordenador da Bienal Internacional do Livro de Jaraguá do Sul, João Chiodini.

A presidente da Acijs e do Centro Empresarial, Ana Clara Franzner Chiodini, também faz um balanço positivo da Bienal. “É um evento que marca um novo patamar na cultura da cidade”, pontua Ana Clara. Destaca a evolução que um evento literário como a tradicional Feira do Livro, realizada em Jaraguá do Sul, alcança depois de 15 anos.

“É algo super relevante termos uma Bienal Internacional que traz, além de toda a bagagem cultural de um evento literário e uma movimentação econômica e social importantes, também o conhecimento em diferentes formas de expressão com grandes nomes do pensamento empresarial”. Estar ao lado da SCAR, da Prefeitura e sua Secretaria de Cultura, e juntamente com a organizadora Design Cultura, explica a presidente da ACIJS, representa um saldo extremamente positivo. “A parceria e a mistura de arte, cultura, empreendedorismo, em todas as frentes de produção de conhecimento, traz um ganho muito expressivo e totalmente positivo para a comunidade”, completa.

A Bienal Internacional do Livro de Jaraguá do Sul é uma realização da Design Cultural, SCAR e Acijs, com apoio da Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Jaraguá do Sul, promoção da Fundação Catarinense de Cultura, por meio do Programa de Incentivo à Cultura, do Governo do Estado, e tem o patrocínio das empresas Havan, Malwee, Indumak, Urbano. Tirol, Lunelli, Zanotti, Bold, Live, Condor e Maahs.