Companhia de Dança Scar apresenta em março espetáculo “TUHU”

Foto: Divulgação

Por: Isabelle Stringari Ribeiro

27/02/2024 - 09:02 - Atualizada em: 27/02/2024 - 09:46

Nem tão clássico, nem tão contemporâneo. Mas sim a mistura e o melhor dos dois gêneros. Assim será o primeiro espetáculo de 2024 da Companhia de Dança Scar

No dia 3 de março, às 19 horas, os bailarinos da Companhia sobem no palco do Grande Teatro da Sociedade Cultura Artística (SCAR), em Jaraguá do Sul, para apresentar o espetáculo “TUHU”. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do Centro Cultural ou pelo site da TicketCenter (https://b09b.short.gy/TUHUCompanhiadeDancaSCAR) , por R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia entrada).

Conforme o diretor artístico e coreógrafo da Companhia, José Kniss, a temporada 2024 começa apresentando um espetáculo virtuoso e potente.

“Apresentaremos ao público toda a virtuosidade e o avanço técnico e artístico de um ano da Companhia de Dança SCAR. Uniremos a diversidade sonora do compositor Heitor Villa-Lobos com a plasticidade artística dos bailarinos.”

Carioca, Villa-Lobos compôs cerca de mil obras e sua importância está, entre outros aspectos, no fato de ter reformulado o conceito brasileiro de nacionalismo musical, tornando-se seu maior expoente.

Entre as obras que serão apresentadas no espetáculo “TUHU”, fazendo alusão ao apelido de infância do compositor e mostrando que a Companhia ainda é uma “criança” com sede de arte, estão “Mandú-Çarará” e “Bachianas Brasileiras nº5”.

A apresentação será dividida em duas partes. A primeira parte contará com cantata “Mandú-Çarará” composta em 1940. Essa obra de Villa-Lobos pertence a um grupo de peças como “A floresta do Amazonas”

“Mandú-Çarará é o Deus da dança. Dessa forma, a Companhia de Dança SCAR trará a garra e a destreza do povo indígena amazonense de forma contemporânea”, comenta Kniss.

Já a segunda parte do espetáculo trará trechos da composição mais famosa do maestro carioca.”Bachianas Brasileiras nº5″, conta com dois atos compostos, sendo o mais famoso Cantilena, composto em 1938.

“Na segunda parte de “TUHU”, o primeiro ato será composto por um trio coreografado ao som de Cantilena, trazendo a suavidade do canto lírico. Na sequência, os bailarinos da Companhia de Dança SCAR apresentam sua virtuosidade ao som de “Trenzinho Caipira”, trazendo diversão, tecnologia e múltiplos movimentos contemporâneos”, finaliza Kniss.