Sociedades de Tiro ao Alvo Esportivo viram patrimônio cultural em Joinville

Foto: Prefeitura de Joinville

Por: OCP News Joinville

08/03/2023 - 16:03 - Atualizada em: 08/03/2023 - 16:07

Foi entregue nesta terça-feira (7) o registro que concedeu às Sociedades de Tiro ao Alvo Esportivo de Joinville o título de Patrimônio Cultural Imaterial.

Ele reconhece a importância histórica da atividade, que teve sua primeira sociedade fundada em Joinville em 1855, apenas quatro anos depois da chegada do primeiro grupo de imigrantes germânicos.

 

 

O evento ocorreu na Galeria de Prefeitos da Prefeitura de Joinville, que lotou com a presença de integrantes das sociedades de tiro ao alvo esportivo e seus familiares. Atualmente, Joinville abriga 10 associações e uma agremiação, contabilizando cerca de 400 integrantes.

“São clubes que reúnem famílias, que mantêm as gerações em volta da prática do tiro esportivo. Então, reconhecer como um bem imaterial da cidade é fundamental para mantermos as nossas tradições e raízes”, diz o prefeito Adriano Silva.

Além da manutenção da atividade esportiva — que, em Joinville, utiliza apenas pistolas de ar —, as sociedades também promovem festas e premiações que garantem a continuidade de tradições culturais de comunidades de descendentes da região, como música e gastronomia.

O registro como patrimônio imaterial ocorre na categoria “Lugares, Saberes e Celebrações”.

O reconhecimento como Patrimônio Imaterial vale para os espaços que sediam a prática esportiva e todas as tradições que envolvem essa atividade, e que estão inscritas na Associação Joinvilense de Tiro ao Alvo (AJTA). Ele é presidido por Anemarie Grawe e conta com Hilário Vollmann na vice-presidência.

“Esse registro é importante porque, com ele, podemos buscar formas para que essa tradição seja passada para as próximas gerações. Atualmente, temos muitas famílias que participam das sociedades, mas os jovens deixam de participar logo que entram na adolescência. Nosso objetivo é mostrar que o tiro ao alvo esportivo é uma atividade saudável, que não envolve violência, pelo contrário: o foco é a harmonia e a disciplina”, afirma o vice-presidente, Vollmann.

O secretário de Cultura e Turismo de Joinville, Guilherme Gassenferth, ressalta que o processo de registro foi iniciado há, pelo menos, sete anos, e contou com muito estudo sobre a história das sociedades, além de consulta pública.

“Diferentemente do patrimônio material, só pode ser reconhecido como patrimônio imaterial, aquilo que é reconhecido pela comunidade. É preciso haver engajamento para demonstrar que aquilo faz sentido. A transmissão dos saberes e fazeres é uma das principais características do patrimônio imaterial, e este registro é prova e reconhecimento daquilo que esses grupos fazem de levar essa tradição de geração em geração na nossa cidade”, explica.

Após o evento, os integrantes das sociedades de tiro ao alvo esportivo de Joinville realizaram um cortejo pelo Centro de Joinville.

Eles saíram da sede da Prefeitura de Joinville, na avenida Hermann August Lepper, seguiram pela rua Nove de Março, Rua do Príncipe e Rua das Palmeiras, e terminaram o desfile na Praça da Bandeira.

O cortejo foi concluído em frente ao Monumento aos Primeiros Imigrantes, do artista alemão Fritz Alt, como uma forma de homenagem aos antepassados que iniciaram a tradição das sociedades em Joinville.

Tradição é quase medieval e foi trazida por imigrantes

As sociedades de atiradores nasceram em países como Holanda, Bélgica e França, e chegaram à Alemanha por volta do século XIV.

Elas tinham como objetivo preparar a população para o manejo correto das armas em caso de guerra e, em tempos de paz, os associados disputavam o título de melhor atirador. O vencedor da competição era aclamado “Rei dos Atiradores”, dando origem aos bailes de “Tiro Rei”.

Em Joinville, estas tradições são preservadas com a celebração da Festa do Rei do Tiro e a Festa do Rei dos Reis, com o mesmo formato nas premiações e na organização dos cortejos que buscam o Rei e a Rainha do tiro em suas casas com uma banda de músicas típicas germânicas.