SC recebe remessa de vacinas contra a Covid-19 para a imunização de bebês

Foto: Divulgação

Por: OCP News Criciúma

14/11/2022 - 14:11

A Secretaria de Saúde de Santa Catarina na sexta-feira, 11, a primeira remessa com 34 mil doses da vacina Pfizer para a vacinação de bebês e crianças de seis meses a dois anos de idade. A data de distribuição para os municípios catarinenses ainda está sendo avaliada pela Secretaria Estadual.

 

As doses recebidas nesta primeira remessa serão suficientes para vacinar cerca de 11 mil bebês e crianças, tendo em vista que o esquema desta vacina é de três doses e, segundo recomendação do Ministério da Saúde (MS), o estado deve armazenar as vacinas para aplicação de todas elas, já que não há previsão de recebimento de novas remessas. Em Santa Catarina, a população estimada nesta faixa etária é de 244.674 crianças.

 

Embora o Ministério da Saúde tenha recomendado a vacinação, neste primeiro momento, apenas de bebês e crianças com comorbidades, o estado de Santa Catarina e os municípios catarinenses optaram por não limitar a vacinação e iniciar a aplicação de doses de forma escalonada. Sendo assim, a imunização será realizada nesta ordem: bebês de 6 meses a 11 meses e 29 dias; depois os bebês de 1 ano a 1 ano, 11 meses e 29 dias; e, por fim, das crianças de 2 anos a 2 anos, 11 meses e 29 dias.

 

Importante destacar que bebês e crianças portadores de comorbidades (com comprovação) terão prioridade na vacinação, independentemente da faixa etária.

 

A vacina Pfizer para bebês a partir dos seis meses (tampa vinho) possui apresentação e dosagem diferenciada da formulação utilizada em adultos a partir dos 12 anos (tampa roxa) e também em crianças de cinco a 11 anos (tampa laranja). Nos bebês e crianças de até dois anos ela deve ser aplicada no esquema de três doses, com 21 dias de intervalo entre a primeira e a segunda dose e 60 dias entre a segunda e a terceira dose.

 

Toda a população deve completar o esquema vacinal

 

Com a confirmação na última quarta-feira, 9, da circulação da sublinhagem Ômicron BQ.1.1 do coronavírus em Santa Catarina, a Secretaria de Saúde emitiu um alerta reforçando a importância de completar o esquema vacinal para a prevenção de agravamento, hospitalizações e óbitos pela Covid-19.

 

A sublinhagem tem contribuído para o aumento do número de casos da Covid-19, tendo em vista a sua elevada capacidade de transmissão comparada às outras sublinhagens da Ômicron. Por esse motivo, completar o esquema vacinal é de extrema importância para a proteção individual e coletiva.

 

“Nós conseguimos alcançar bons índices de vacinação com a primeira e a segunda dose, mas temos observado uma grande queda na procura pelas doses de reforço, o que nos preocupa, por que a gente sabe que os reforços são essenciais para a ampla proteção da população contra a doença. Então, para que possamos evitar óbitos, casos graves e hospitalizações é de extrema importância que a população complete o esquema vacinal”, assinala a gerente de imunização da DIVE/SC, Arieli Fialho.

 

De acordo com dados do vacinômetro estadual, 89,04% da população vacinável completou o esquema primário com duas doses ou dose única. No entanto, com relação às doses de reforço, a procura está bem abaixo do esperado, sendo que 54,47% das pessoas com 12 anos ou mais retornaram para fazer o primeiro reforço e apenas 19,87% da população acima dos 30 anos retornou para o segundo reforço.

 

O esquema vacinal completo é aquele em que a pessoa é vacinada com as duas doses ou a dose única no esquema primário e que recebe(m) a(s) seguinte(s) dose(s) de reforço, de acordo com a faixa etária:

 

De 12 a 29 anos de idade: primeira dose de reforço a partir do quarto mês após completar o esquema primário;

A partir dos 30 anos de idade, com esquema primário realizado com Sinovac/Butantan, AstraZeneca/Fiocruz ou Pfizer: segunda dose de reforço, a partir do quarto mês após receber a primeira dose de reforço;

A partir dos 40 anos de idade, com esquema primário realizado com a Janssen: terceira dose de reforço.