Santa Catarina terá primavera com La Niña pelo 3° ano consecutivo

Imagem: Pixabay

Por: Isabelle Stringari Ribeiro

03/10/2022 - 10:10

A previsão para este trimestre é de chuva próxima da média climatológica na Grande Florianópolis, Vale do Itajaí, Planalto Norte e Litoral Norte, e chuva abaixo da média nas demais regiões do estado de Santa Catarina.

Nesta primavera de 2022, o destaque vai para a atuação do fenômeno La Niña, que aumenta o risco de eventos extremos com chuva forte e totais elevados em curto intervalo de tempo, temporais com forte atividade elétrica (raios), granizo e ventania.

O que se espera para época do ano

O mês de outubro é marcado pelas chuvas de primavera com totais mensais mais elevados no Oeste e Meio Oeste de SC. Os acumulados de chuva variam de 210 a 280 mm no Oeste e Meio-Oeste, e de 140 a 180 mm do Planalto ao Litoral. Em novembro, o volume de chuva diminui no estado, com valores de 130 a 180 mm em média. Em dezembro, com o início das chuvas de verão, os acumulados passam a variar de 150 a 190 mm na Grande Florianópolis e do Oeste ao Litoral Norte, e nas demais regiões os volumes variam entre 130 a 150 mm.

Durante a estação os episódios de precipitação devem ocorrer especialmente associados à passagem de frentes frias, influência de sistemas de baixa pressão e dos Sistemas Convectivos de Mesoescala (SCM) que provocam chuvas mais intensas no Oeste e Meio Oeste. Na segunda quinzena de novembro inicia o processo convectivo, caracterizando as pancadas de chuva de verão que serão mais frequentes em dezembro.

Ainda em outubro os ciclones extratropicais no litoral Sul do Brasil trazem perigo para a navegação e a pesca, devido aos ventos fortes e ao mar agitado, muitas vezes resultando em ressaca. Em novembro e dezembro diminui a condição favorável aos ciclones extratropicais no litoral Sul do Brasil.

Temperatura

Nos meses de outubro e novembro a previsão é de temperatura próxima a abaixo da média climatológica em SC, devido às massas de ar frio que ainda chegam causando queda na temperatura no período noturno, com episódios isolados de formação de geada fraca ao amanhecer, especialmente nas áreas mais altas do Planalto Sul.

O fenômeno La Niña favorece dias com grande amplitude térmica, tardes quentes seguidas de noites mais frias para a época do ano. A partir de dezembro a expectativa é de aumento de temperatura, com massas de ar quente mais frequentes e com maior duração.

São caraterísticas da primavera: nevoeiros associados à nebulosidade baixa, com redução de visibilidade.

Temperatura da Superfície do Mar (TSM)

Nos meses de agosto e setembro de 2022, a Temperatura da Superfície do Mar (TSM) no Pacífico Equatorial permaneceu com anomalia negativa e valores de -0,5°C a -1,0°C (Figuras 1 e 2). Essa condição está associada à atuação da La Niña, que deve continuar até o mês de janeiro de 2023. A água ficou mais fria (-2,0°C a -3,0°C) no Atlântico Sudoeste, próximo à costa do Uruguai e Sul do Brasil, e mais aquecida em áreas afastadas da costa.

Figura 1 – Anomalia da TSM nos oceanos Atlântico e Pacifico, em agosto de 2022.
Fonte: IFSC.

 

Figura 2 – Anomalia da TSM no Pacifico e Atlântico, 01 a 26 de setembro de 2022.
Fonte: IFSC.

 

*Com informações da EPAGRI