O Correio do Povo, jornal impresso em circulação mais antigo de SC, chega a 10 mil edições

Foto: Arte/Marcio Ochner/OCP News

Por: Elisângela Pezzutti

06/06/2024 - 06:06 - Atualizada em: 06/06/2024 - 10:03

Há 105 anos – em 10 de maio de 1919, um sábado -, circulava a primeira edição do jornal O Correio do Povo, sob direção de Arthur Müller, fundador do jornal ao lado de Venâncio da Silva Porto. O período não era dos mais favoráveis para a imprensa. O Brasil vivia a República Velha, também conhecida como Primeira República (1889 – 1930) e o Decreto 85, de 23 de dezembro de 1989, que ameaçava de prisão quem conspirasse contra a República. Em outras palavras, o decreto limitava a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa.

O momento político e social era bastante incerto. A Primeira Guerra Mundial havia terminado em novembro do ano anterior (1918) e o 11º presidente do Brasil, Epitácio Pessoa, seria empossado em julho de 1919.

Na época, Jaraguá, que hoje possui quase 200 mil moradores, tinha cerca de 10 mil habitantes e ainda era distrito de Joinville. De lá para cá, houve inúmeras transformações, e o jornal O Correio do Povo seguiu acompanhando a evolução da sociedade, registrando fatos importantes do mundo, do Brasil e, principalmente, de Santa Catarina e de Jaraguá do Sul e região.

“Penso que chegar à marca de 10 mil edições é um feito memorável. Este número carrega muitos significados como: propósito, resiliência, determinação, disciplina, compromisso, gestão, criatividade, adaptabilidade, liderança e visão. Vamos em busca de novas marcas”, afirma o presidente da Rede OCP de Comunicação, Walter Janssen Neto.

A seguir, vamos relembrar alguns dos fatos que foram destaques nas edições do jornal O Correio do Povo. Confira!

Fotos: Reprodução

Década de 1920

No início dos anos 1920, a emancipação político-administrativa de Jaraguá do Sul era assunto recorrente no O Correio do Povo e entre a comunidade jaraguaense, que já contava com mais de 10 mil moradores, escolas, hotéis, fábricas e até cinema. Vários artigos publicados no jornal abordavam a autonomia do distrito. Em 7 de maio de 1921, a capa do OCP trazia a manchete “Jaraguá Município: contra fatos não há argumentos”.

Década de 1930

A construção da Usina do Bracinho, em Schroeder, foi destaque da edição de 26 de julho de 1930, como um enorme passo para o desenvolvimento do Norte Catarinense.

Em 26 de março de 1934, Jaraguá do Sul conquistava a autonomia político-administrativa, deixando de ser distrito de Joinville e passando a ser, de fato, um município.

Em junho de 1935, o jornal publicava reportagem sobre a inauguração do Grupo Escolar Abdon Baptista. Considerado de grande importância para a área da educação em Santa Catarina, Abdon Baptista (1851-1922) foi homenageado dando nome à escola, que ainda hoje é referência em educação pública na região.

Em 22 de novembro de 1936, o destaque foi a inauguração do Hospital São José, marcada por uma festa popular beneficente. Sob a administração do Padre Alberto Jakobs, foi instituído um conselho administrativo, com estatuto e regulamento. Ainda em 1936, foi contratado o médico Dr. Georg Richter e as Irmãs Franciscanas de São José assumiram os trabalhos com os doentes.

Em 6 de agosto de 1938 era publicado o estatuto de fundação da Acijs (Associação Comercial e Industrial de Jaraguá do Sul, hoje denominada Associação Empresarial de Jaraguá do Sul). Desde então, a entidade tem sido fundamental para o empresariado, contribuindo para o desenvolvimento econômico e social do município.

O lançamento da pedra fundamental e construção da sede da Prefeitura – onde atualmente é o Museu Emílio da Silva, no Centro da cidade, ganhou destaque na edição de 11 de novembro de 1939.

O início da Segunda Guerra Mundial, deflagrada após a invasão da Polônia pelos alemães em 1º de setembro de 1939, também foi noticiado pelo OCP. O conflito resultou na morte de cerca de 70 milhões de pessoas.

Década de 1940

No início dos anos 1940, ao perceber que a história do fundador da cidade, Emílio Carlos Jourdan, poderia cair no esquecimento com o fim do engenho por ele construído, o OCP liderou uma campanha em prol de sua memória. Em 4 de outubro de 1941, quando ocorreu a inauguração da sede da Prefeitura (que atualmente abriga o Museu Emílio da Silva), foi fixada em frente ao prédio uma escultura do busto de Jourdan, que permanece no local até os dias de hoje.

Na primeira metade dos anos 1940, o jornal trazia notícias sobre a Segunda Guerra, destacando a ida para a Europa de soldados da Força Expedicionária Brasileira em 1944, entre eles 62 pracinhas catarinenses, sendo 40 de Jaraguá do Sul.

Em 25 de setembro de 1943, o jornal publica matéria informando que o Governo Federal havia anunciado que, em breve, passaria a vigorar uma lei proibindo que dois ou mais municípios tivessem o mesmo nome. No estado de Goiás já havia uma cidade de nome Jaraguá, fundada em 1882. O OCP, então, dá início a um movimento para escolha de um novo nome para o município. Os moradores mandaram sugestões de novas nomenclaturas e o leitor votava no nome de sua preferência. Nomes como Cidade da Paz, Jaraguaí, Frutífera e Itajara (um dos mais votados) foram sugeridos por cartas identificadas e anônimas.

 

Década de 1950

Em novembro de 1953, foram publicadas em várias edições do OCP, matérias sobre uma das maiores tragédias de Jaraguá do Sul: no local hoje conhecido como Tifa da Pólvora, três explosões, que puderam ser ouvidas em um raio de 50 quilômetros de distância, destruíram a fábrica Pernambuco Powder Factory e provocaram a morte de 10 pessoas, além de ferir outras 12 e abalar as estruturas de edificações próximas.

Em 10 de janeiro de 1959, o jornal publica matéria sobre a abertura da primeira agência do Banco do Brasil em Jaraguá do Sul. O fato foi celebrado pela comunidade empresarial e rural. Wolfgang Weege, representando a Acijs, discursou sobre a importância da vinda da instituição financeira ao município.

Década de 1960

Na edição de 13 de agosto de 1960, o OCP convidava a comunidade para a festa de lançamento da pedra fundamental do futuro estádio Max Wilhelm, no Clube Atlético Baependi.

Em 5 de março de 1966, o jornal publica matéria sobre a inauguração do Hospital Jaraguá, um importante avanço para a saúde de Jaraguá do Sul e região.

Em 24 de setembro do mesmo ano, o OCP anunciava a fundação do Corpo de Bombeiros Voluntários de Jaraguá do Sul, informando a população sobre a histórica reunião que estabeleceu a diretoria e o estatuto da entidade.

A instalação do Clube de Diretores Lojistas (CDL), atualmente denominado Câmara de Dirigentes Lojistas, foi anunciada em 10 de agosto de 1968. A matéria informava sobre o cerimonial, que contou com a presença de autoridades, e listava os primeiros 11 associados da entidade.

 

Década de 1970

Uma publicação de 27 de junho de 1970, registrou a conquista do terceiro título brasileiro na Copa do Mundo, com a presença do jaraguaense Eduardo Roberto Stinghen – o Ado – único catarinense a participar da competição.

Dois anos e meio após o decreto de criação do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de Jaraguá do Sul, era inaugurado o primeiro sistema de água da cidade, na época com capacidade inicial de 36 litros por segundo. A notícia foi dada na edição de 7 de novembro daquele ano.

Em várias edições publicadas em 1975, o jornal relatou a criação da Faculdade de Estudos Sociais, sob direção do Padre Elemar Scheid, que depois se tornou a Fundação Educacional Regional Jaraguaense (Ferj), presidida por Scheid, até sua substituição, em 1978, pela professora Carla Schreiner. Atualmente, a instituição de ensino superior denomina-se Católica SC.

 

Década de 1980

Um dos destaques de janeiro de 1980 foi a implantação das repetidoras de televisão no Morro da Antena e a liberação do acesso dos munícipes ao local. Hoje, o ponto é uma das principais atrações turísticas de Jaraguá do Sul.

Também em janeiro de 1980, o jornal noticiava um acidente aéreo que resultou na morte de quatro pessoas em Corupá: o piloto, duas irmãs e uma amiga perderam a vida devido ao mau tempo. A aeronave vinha do Mato Grosso com destino a Navegantes, onde familiares aguardavam para veranear em Balneário Camboriú.

Em outubro de 1987, uma matéria informava que Jaraguá do Sul havia consolidado sua posição como terceira economia de Santa Catarina, superada apenas por Blumenau e Joinville.

Matéria publicada em outubro de 1989 anunciava a realização da 1ª Schützenfest, organizada pela Associação dos Clubes e Sociedades de Caça e Tiro do Vale do Itapocu. A Festa dos Atiradores tornou-se um dos principais eventos do calendário anual de Jaraguá do Sul.

Década de 1990

Notícia de novembro de 1993 informava sobre a criação do Conselho Tutelar de Jaraguá do Sul. O jornal registrava detalhes técnicos e jurídicos sobre a composição e atuação do Conselho.

O início das obras do Presídio Municipal foram anunciadas em matéria publicada no dia 13 de julho de 1994. O empreendimento foi viabilizado por meio de parceria entre a Prefeitura de Jaraguá do Sul e o Governo Estadual.

Em janeiro de 1996, o OCP trazia informações sobre o início das obras do Calçadão da Avenida Marechal Deodoro, que remodelou o Centro da Cidade. O projeto foi concluído em julho do mesmo ano, porém, a obra gerou prejuízos para os comerciantes locais, devido à limitação da passagem de pedestres pelo local e a demora no cronograma.

O acidente automobilístico que tirou a vida do empresário e então prefeito de Jaraguá do Sul, Geraldo Werninghaus, um dos fundadores da WEG, foi noticiado pelo jornal em uma extensa reportagem publicada pelo OCP em julho de 1998.

Década de 2000

A inauguração da Scar (Sociedade Cultura Artística) foi destaque da edição do jornal em 20 de maio de 2003.

Em março de 2004, a Câmara de Vereadores, em sessão solene, condecorava o Sr. Eugênio Victor Schmöckel com o título de Cidadão Honorário de Jaraguá do Sul. O contabilista, historiador e jornalista, foi o mais longevo gestor do OCP.

A primeira edição do Femusc (Festival de Música de Santa Catarina), evento idealizado pelo maestro Alex Klein, foi divulgada pelo jornal em janeiro de 2005, com destaque para o Concerto do Quarteto de Cordas da Orquestra de São Paulo. As apresentações aconteciam na Scar (Sociedade Cultura Artística) e em locais públicos como praças, escolas, igrejas e hospitais. O evento continua sendo realizado anualmente nos mesmos moldes e reúne músicos do mundo todo, tendo se consagrado como o maior festival de música do estado.

Em abril de 2006, o OCP noticiava a morte do Padre Aloísio Boeing, aos 92 anos. Mais de três mil fiéis compareceram à Igreja Nossa Senhora do Rosário, em Nereu Ramos, para dar o último adeus ao religioso, considerado um grande conselheiro espiritual. Sete anos após a sua morte, o Vaticano autorizou a abertura do processo para a sua beatificação e Padre Aloísio recebeu o título de ‘Servo de Deus”.

A inauguração da Arena Jaraguá foi destaque da edição do OCP de 5 de maio de 2007. Com capacidade para 8.500 pessoas sentadas a Arena sedia grandes eventos esportivos, sendo utilizada principalmente para jogos de futsal, voleibol e handebol.

Década de 2010

Em junho de 2015, o OCP divulgava a realização, em Corupá, do 1º Congresso Internacional para debater o manejo da bananicultura em clima subtropical.

A notícia da morte do empresário Eggon João da Silva, um dos fundadores da WEG, ocorrida em setembro de 2015, foi destaque no jornal e deixou enlutada a comunidade do Vale do Itapocu.

Em junho de 2016, o jornal anunciava o falecimento do último fundador da WEG, Werner Ricardo Voigt. Jaraguá do Sul se despedia de mais uma lenda do empreendedorismo.

Em maio de 2019, uma entrevista com o presidente da Rede OCP de Comunicação, Walter Janssen Neto, responsável pela integração do jornal impresso ao universo digital, destacava o centenário de O Correio do Povo. Entre outro assuntos, o presidente falou sobre os planos futuros do periódico mais antigo em circulação no estado de Santa Catarina.

 

Notícias no celular

Whatsapp

Elisângela Pezzutti

Bacharel em Comunicação Social - Habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Atua na área jornalística há mais de 25 anos, com experiência em reportagem, assessoria de imprensa e edição de textos.