Juiz de Joinville é homenageado no Sul de SC

Foto: Gilmar Estevam

Por: Thomas Madrigano

27/05/2022 - 19:05 - Atualizada em: 27/05/2022 - 21:32

O juiz catarinense Márcio Schiefler Fontes recebeu o título de “cidadão tubaronense” em sessão solene da Câmara de Vereadores de Tubarão alusiva aos 152 anos do município, realizada na noite da última quinta-feira (26).

A honraria é endereçada a personalidades que prestaram serviços relevantes ao município. Além do presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), João Henrique Blasi, prestigiaram o evento o ministro Jorge Mussi, vice-presidente do STJ, e os desembargadores Gerson Cherem II (3º vice-presidente do TJSC), Jairo Gonçalves, Ricardo Roesler e Júlio César Knoll.

Estiveram presentes, ainda, os prefeitos municipais de Tubarão, Joares Ponticelli, e de Pedras Grandes, Agnaldo Filippi; o ex-presidente do TJSC Rodrigo Collaço; magistrados de Tubarão e outras comarcas; membros do Ministério Público, advogados e servidores do Judiciário e de outros órgãos públicos.

Falando em nome dos homenageados, Márcio Schiefler Fontes destacou que, embora nascido e criado na capital, fez toda sua carreira no interior catarinense ou fora de Santa Catarina.

O magistrado judicava em Tubarão, inclusive, quando deixou o Estado para representar Santa Catarina no Conselho Nacional de Justiça, de 2017 a 2019.

Em seu discurso, o juiz resgatou capítulos importantes da história do município, como a construção da ferrovia e a enchente de 1974, passando pela recente reforma do Fórum da comarca e a tão esperada inauguração da rodovia Ivane Fretta Moreira — obra cujos entraves judiciais demandaram a atenção de seu gabinete.

Ao concluir, o magistrado reproduziu palavras do general confederado Robert E. Lee a seus oficiais antes de uma das principais batalhas da Guerra Civil Americana: “Rios, montes, vales, campos, cidades, povoados. Para nós, eles são locais de nascimento e locais de sepultura. São campos que nossos pais semearam e onde nossos antepassados lutaram. São lugares onde nós aprendemos a andar, a falar, a orar. Onde sagramos nossas amizades, onde nos apaixonamos. São a encarnação de nossas memórias e de tudo o que nós amamos. E isto é algo que um burocrata, sentado no conforto de seu escritório na capital, para quem tudo são simples pontos num mapa, não entenderá jamais.”

E conclamou ao expressivo público presente: “Se ao deixarmos, meus irmãos catarinenses, este local agora e formos questionados lá fora, possivelmente por algum desavisado: ‘Mas, afinal, o que está acontecendo aí?’, respondamos ao estilo da Serra, à maneira do serrano: ‘É a nossa identidade aguentando o repuxo.’ Parabéns, Tubarão! Viva Santa Catarina.”

Fonte: TJSC