Estado conta com 11 rodovias com trechos “críticos”, aponta estudo da CNT

Foto: Dnit/Divulgação

Por: Pedro Leal

22/01/2024 - 14:01 - Atualizada em: 22/01/2024 - 14:24

Um levantamento da Confederação Nacional de Transporte (CNT) na útima segunda-feira (15) aponta que onze rodovias do estado tem trechos “críticos” em sua infraestrutura.

Os trechos têm situações que incluem buracos grandes, erosões na pista e quedas de barreira, entre outras ocorrências que totalizam 34 pontos.

Os trechos abrangem quatro rodovias federais e sete estaduais.

A estrada com mais pontos críticos é a SC-350, que soma sete locais com problemas. A rodovia tem início em Alfredo Wagner, na Grande Florianópolis, e segue até Porto União, no Norte.

Em 2022, o CNT havia mapeado oito rodovias (duas federais e seis estaduais) e 18 locais em situação crítica. Naquele levantamento, a SC-350 também liderava o ranking de locais com problemas, com cinco pontos.

Rodovias de SC com pontos críticos

  • SC-350 – 11 pontos
  • BR-280 – 7 pontos
  • BR-470 – 4 pontos
  • SC-305 – 3 pontos
  • SC-157 – 2 pontos
  • SC-477 – 2 pontos
  • BR-163 – 1 ponto
  • BR-285 – 1 ponto
  • SC-135 – 1 ponto
  • SC-486 – 1 ponto
  • SC-480 – 1 ponto

Fonte: Radar CNT do Transporte – Pontos Críticos 2023

Os problemas das rodovias em SC representa pouco mais de 1% de todas as 2,6 mil situações críticas encontradas em rodovias em todo o país. O estado teve a 10ª menor densidade de pontos críticos por quilômetro avaliado, com quase um ponto crítico a cada 100 quilômetros.

Em números absolutos, SC teve o 13º melhor resultado em quantidade de pontos críticos identificados.

Apesar disso, o levantamento do CNT estima em R$ 4,88 bilhões os investimentos necessários para resolver os problemas nas rodovias catarinenses.

A Secretaria de Estado da Infraestrutura (SIE) afirma que o programa Estrada Boa deve melhorar a condição de rodovias catarinenses.

O programa foi lançado no ano passado e registrou um total de 28 obras em seu primeiro ano, entre elas a operação tapa buraco na SC-350, que aparece em primeiro lugar no estudo da CNT.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) afirmou que monitora a situação das rodovias federais no estado e que “o cenário da malha rodoviária catarinense vem melhorando mês a mês”.

Conforme a avaliação do governo federal, em dezembro de 2023, 45% das estradas sob gestão do órgão federal eram classificadas como boa no Índice de Condição da Manutenção (ICM).