Deputado cobra esclarecimentos sobre falta de segurança na UFSC

Foto: Arquivo OCP News

Por: Isabelle Stringari Ribeiro

19/10/2023 - 08:10 - Atualizada em: 19/10/2023 - 08:33

Após o sequestro-relâmpago e assalto a um estudante da UFSC no campus da Trindade, em Florianópolis, registrado no início deste mês, o deputado Antídio Lunelli (MDB) enviou à reitoria da universidade um ofício solicitando esclarecimentos sobre a segurança na instituição. Lunelli também foi procurado pelo pai de uma estudante de Medicina da Universidade Federal que relatou que o convívio com a criminalidade é uma rotina dentro da instituição.

“Precisamos garantir que os estudantes, professores e demais funcionários tenham segurança. É inaceitável que uma universidade pública seja ponto para prática de crimes e consumo de drogas ”, apontou o parlamentar.

Lunelli destacou ainda que o número crescente de furtos e roubos à mão armada é preocupante. Diariamente, cerca de 50 mil pessoas circulam na cidade universitária. “São nossos próximos médicos, professores, engenheiros, advogados e muitos outros futuros profissionais convivendo em um ambiente onde o uso de droga parece uma coisa normal. Um ambiente que deveria nutrir sonhos de futuro vem se tornando um palco de zumbis. São jovens sem brilho nos olhos, que buscam uma fuga nas drogas, se tornam dependentes, às vezes traficantes criminosos, e que serão adultos perdidos, sem um horizonte melhor”, defendeu.

Entres os questionamentos feitos pelo deputado, estão quais e como são investidos os recursos no quesito segurança pública nas dependências da Universidade Federal e se o departamento competente atua de forma ampla e não somente visando a defesa do patrimônio da UFSC. Outros esclarecimentos solicitados são em relação ao atual contingente que atua nas unidades, se há previsão de contratação de novos profissionais para auxiliar na segurança dos alunos e docentes e qual é o controle na entrada e saída de pessoas do interior de suas dependências.

O ofício foi enviado ao reitor da UFSC, Irineu Manoel de Souza.