Campanha Novembro Azul conscientiza homens sobre a importância de cuidar da saúde

Ao longo de todo o mês, são reforçados os cuidados de prevenção do câncer de próstata. Foto: Freepik

Por: Maria Luiza Venturelli

17/11/0202 - 06:11

O mês de novembro é dedicado à conscientização e prevenção do câncer de próstata, que é o segundo mais comum entre os homens, atrás apenas do câncer de pele não melanoma, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA). A campanha “Novembro Azul” coloca a saúde do homem em foco.

Ao longo de todo o mês, são reforçados os cuidados de prevenção do câncer de próstata e doenças que afetam os homens em geral. Eles são incentivados a buscar atendimento de forma rotineira e principalmente em qualquer sinal de que algo não vai bem.

De acordo com o Sistema de Informação sobre Mortalidade do Ministério da Saúde, entre 2019 a 2021, foram mais de 47 mil óbitos em razão do câncer de próstata. Em 2021, 16.055 homens morreram em consequência da doença, o que corresponde a cerca de 44 mortes por dia.

Outro fato relevante é que a falta de cuidado com a saúde faz com que homens vivam até 10 anos a menos que as mulheres. Além disso, a cada cinco óbitos de adultos, três são de homens, apesar de toda a tecnologia e avanço da medicina para tratar as doenças.

Fatores de risco

Obesidade é um fator de risco para o desenvolvimento da doença. Foto: Pixabay

Alguns fatores de risco são sinais de alerta para a procura de atendimento médico para prevenção, como idade e histórico familiar de câncer de próstata. A ida a um especialista deve ser feita uma vez ao ano a partir dos 50 anos de idade para homens sem fatores de risco, já que a incidência e mortalidade aumentam significativamente depois dessa idade.

Quem tem histórico familiar de pessoas com câncer de próstata, principalmente antes dos 60 anos, deve procurar um atendimento especializado de prevenção antes dos 45 anos. Fatores genéticos podem influenciar na incidência da doença, além de estilo de vida e hábitos alimentares de algumas famílias. O excesso de gordura corporal também pode aumentar o risco de câncer de próstata avançado.

Exposição a aminas aromáticas, comuns em indústrias químicas, mecânicas e de transformação de alumínio, arsênio, produtos de petróleo, motor de escape de veículos, hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA), fuligem e dioxinas também estão associadas ao câncer de próstata.

Esse tipo de câncer não apresenta muitos sintomas nas fases iniciais, por isso é essencial manter um acompanhamento médico com regularidade. Já em estágios avançados, o homem terá dificuldade para urinar, presença de sangue na urina, dor óssea e em casos mais graves, infecção generalizada e insuficiência renal.

O diagnóstico para identificar um câncer de próstata é realizado a partir de um exame de sangue chamado PSA e também pelo exame de toque, que é rápido, indolor e capaz de diagnosticar todos os tipos de câncer.

Tratamento

Em casos menos avançados, a radioterapia pode ser usada como opção de tratamento.

Em casos em que a doença só atinge a próstata e não se espalhou para outros órgãos, basta realizar o tratamento com cirurgia, radioterapia ou observação vigilante.

A cirurgia, conhecida como prostatectomia radical, pode ser feita por via aberta, via laparoscópica ou por robótica. O procedimento consiste na remoção da próstata, das vesículas seminais e, algumas vezes, dos linfonodos regionais.

A radioterapia pode ser externa e interna. No caso da externa, o tumor é enquadrado no campo de radiação, através de exames de imagem e de cálculos matemáticos. Na radioterapia interna, são colocadas sementes radioativas no interior da próstata, introduzidas por via retal, sob anestesia.

A observação vigilante é muito conhecida nos últimos anos e é uma técnica mais utilizada em tumores de evolução lenta, que não comprometem a qualidade ou duração da vida. Esse tipo de tratamento evita os efeitos colaterais, o sofrimento e os gastos associados ao tratamento.

Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal podem ser os procedimentos mais adequados. Já no caso da doença metastática (quando o tumor já se espalhou para outras partes do corpo), o tratamento mais indicado é a terapia hormonal, que tem probabilidade de resposta maior que 85%, mas, ao contrário da radioterapia e da cirurgia, tem a capacidade de controlar, mas não de curar o câncer.

A quimioterapia é indicada para os pacientes que não obtiveram resultados em tratamentos hormonais prévios injetáveis e orais. Mas também pode ser administrada no início, juntamente com a hormonioterapia, como primeiro tratamento da doença.

Como prevenir

Praticar esportes pode diminuir a chance de desenvolver o câncer. Foto: Pixabay

  • Ter uma alimentação saudável, com foco no consumo de frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e menos gordura, principalmente as de origem animal,
  • Manter o peso corporal adequado;
  • Praticar pelos 30 minutos diários de atividade física;
  • Não fumar;
  • Evitar o consumo de bebidas alcoólicas.

O “Novembro Azul”

O dia mundial do “Novembro Azul” é comemorado em 17 de novembro. Foto: Freepik

As ações do “Novembro Azul” são realizadas internacionalmente. A iniciativa teve origem na Austrália em 2003 e chegou ao Brasil em 2008. O objetivo é sensibilizar e conscientizar a população masculina em relação aos cuidados com a saúde, em especial a importância da realização dos exames de prevenção contra o câncer de próstata. O Dia Mundial de Combate ao Câncer de Próstata é no dia 17 de novembro.

 

Notícias no celular

Whatsapp