Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
O Indicador Serasa Experian de Atividade do Comércio – Dia das Mães 2016, teve o pior desempenho desde o início da série, em 2003. Durante a semana da data, de 2 a 8 de maio, as vendas caíram 8,4% em relação ao mesmo período do ano anterior (4 a 10 de maio). No final de semana do Dia das Mães (6 a 8 de maio), houve queda de 9,5% em todo o país na comparação com o final de semana equivalente ao do ano anterior (8 a 10 de maio). A queda do poder de compra dos brasileiros, tendo em vista a escalada do desemprego, e a inflação ainda em patamar elevado, afetaram negativamente o movimento varejista no Dia das Mães deste ano. Também o crédito mais caro e escasso contribuiu para o desempenho negativo desta que, depois do Natal, é a mais importante data comemorativa do varejo nacional. Também pelo terceiro ano consecutivo, houve queda nas consultas para vendas a prazo na semana do Dia das Mães. De acordo com o indicador calculado pelo SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), o volume de vendas parceladas na semana anterior ao último domingo (entre 1 e 7 de maio) caiu 16,40% em relação ao mesmo período que antecedeu a data comemorativa no ano passado. A queda de 2016 se segue a um leve recuo de 0,59% verificado em 2015, demonstrando um forte impacto nas vendas devido à retração do poder de compra dos brasileiros. evolucao

* * *

Curso de mediação na Católica SC Termina hoje (10), o prazo de inscrições no Curso Mediação e Técnicas Não Adversariais de Resolução de Conflitos, promovido pela Católica de Santa Catarina, em Jaraguá do Sul. A capacitação, gratuita e aberta a acadêmicos e à comunidade, ocorre nos meses de maio, junho e julho. Os interessados devem se inscrever no site www.catolicasc.org.br/jaragua-do-sul.

* * *

victor danichLançamento de novos programas Em meio da crise econômica e contenção de despesas, o setor de Ciência Tecnologia e Inovação, lançou em 2016 novos editais de pesquisa e programas de aceleração para obtenção de patentes no Brasil e no exterior. O Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), criou uma série de incentivos e programas para estimular o setor, que foram divulgados durante a aprovação do Marco Legal de CT&I que, entre outras ações, foi anunciado o lançamento da Chamada Universal CNPq/MCTI nº/2016, que destina R$ 200 milhões para apoiar projetos de pesquisa científica e tecnológica em qualquer área do conhecimento. A chamada em curso irá beneficiar instituições de ensino superior ou institutos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), públicos e privados sem fins lucrativos, assim como projetos ligados a empresas públicas nas áreas de ciência, tecnologia e inovação. Mesmo se tratando de propostas encerradas no mês de fevereiro, é importante destacar que o processo segue um rito que abre as portas para qualquer tipo de pesquisa, em que os recursos são disponibilizados em vários níveis de valores (entre R$ 30 mil e R$ 120 mil), incluindo a concessão de bolsas de iniciação científica e apoio técnico, ampliando, desse modo, a capacidade de contribuir diretamente com o desenvolvimento científico e tecnológico do país. Por outro lado, a Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) terá à disposição durante 2016, um total de R$ 4 bilhões na modalidade crédito, destinado ao apoio de projetos de inovação do setor privado brasileiro, resultado de um acordo entre o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) e o Banco de Desenvolvimento Econômico e social (BNDES), via Programa de Sustentação de Investimentos (PSI). O programa citado (PSI), está voltado ao crédito subsidiado para empresas, de modo estimular a produção, aquisição e exportação de bens de capital centrados na inovação tecnológica, que fazem parte de uma operação realizada pelo BNDES para a recomposição e disponibilização de recursos destinados à FINEP, tanto para novos projetos como para os contratados anteriormente. No escopo há também outros programas de aceleração e obtenção de patentes, como o Patent Prosecution Highway (PPH) e o Prioridade BR, ambos operacionalizados pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial, ligado ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), que cumprem o importante papel de incentivar a entrada de produtos do Brasil no mercado mundial.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO