Adotar um cão ou gato sem raça definida pode ser tão bom para o animal quanto para quem o acolhe em sua família. Os pets de raça são realmente encantadores. Lindos, fofinhos, eles seduzem até quem não é muito chegado a bichos de estimação. Difícil resistir a eles, não é mesmo? Mas, para quem ama, de fato, os animais, é mais difícil ainda não ficar enternecido com um cachorro de rua, cujo olhar pede apenas um pouco de comida e carinho. Os vira-latas, como são mais conhecidos, são animais resultantes da mistura de várias raças; por isso, são também denominados SRD (sem raça definida). Eles são produto da seleção natural, na qual sobrevive o mais forte, enquanto que os de raça, de uma seleção artificial. “Os vira-latas são mais resistentes que os animais de raça e são menos propensos a desenvolver doenças genéticas e hereditárias”, diz Gabriela Toledo, médica veterinária e presidente da PEA (Projeto Esperança Animal), uma entidade ambiental que tem como objetivo lutar contra os maus-tratos aos animais. Mas isso não significa que vira-latas dispensem cuidados. Como todo animal, ele precisa ser vacinado, vermifugado, esterilizado, ir regularmente ao veterinário para que seu responsável receba orientações corretas a respeito de exercícios, alimentação, prevenção contra pulgas, carrapatos etc. Além de serem mais fortes e saudáveis, os SRDs demonstram mais gratidão, principalmente aqueles retirados da rua. “O cão que conheceu o abandono, os maus-tratos, a dor, a fome, a sede, o frio, é infinitamente mais grato”. E aí, se animou? Então comece a procurar seu novo amigo. Fonte: PetMag. coluna pet