O britânico-americano Oliver Hart e o finlandês Bengt Holmström foram anunciados ontem como os vencedores do prêmio Nobel de Economia por seus trabalhos sobre a teoria do contrato. “Os premiados deste ano desenvolveram a teoria do contrato, um amplo marco de análises dos múltiplos aspectos do contrato, como a remuneração dos executivos com base em sua performance, as franquias, os copagamentos nos seguros ou a privatização do setor público”, anunciou o júri da academia sueca. A Academia Sueca de Ciências acrescentou que o trabalho dos dois economistas dão as bases para a fundação intelectual do desenvolvimento de políticas e instituições em muitas áreas, de legislação de falência a constituições políticas. Os vencedores dividirão um prêmio de 8 milhões de coroas suecas (US$ 928 mil). Hart é professor de economia da Universidade de Harvard, enquanto Holmström leciona economia e administração no Massachusetts Institute of Technology (MIT). linha azul Salário das mulheres aumenta As mulheres ainda ganham menos que os homens, mas reduziram a diferença em relação a eles porque tendem a ter empregos que exigem mais habilidades sociais e analíticas, aponta um novo estudo do Pew Research Center. Esses empregos estão cada vez mais valorizados na economia dos EUA, enquanto aqueles que exigem habilidades físicas e manuais estão se tornando menos importantes, diz o estudo. O salário das mulheres subiu 32%, enquanto o dos homens caiu 3% de 1980 a 2015, segundo o estudo, intitulado “O Estado dos Empregos Americanos”. Esses números estão ajustados pela inflação e se aplicam a pessoas que trabalham em tempo integral e o ano todo. linha azul Inflação diminui e PIB encolhe Os economistas preveem menos inflação para este ano e para 2017, além de um “encolhimento” maior do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016. As expectativas foram divulgadas ontem.  A estimativa do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano recuou de 7,23% para 7,04%. Foi a quarta queda seguida do indicador. Para 2017, a estimativa do mercado financeiro para a inflação recuou de 5,07% para 5,06%.  Para o PIB de 2016, a previsão do mercado financeiro passou de um encolhimento de 3,14%, para um “tombo” maior, de 3,15% . Para o comportamento do PIB em 2017, os economistas mantiveram previsão de alta em 1,30%. linha azul Taxa de juros e cotação do dólar O mercado financeiro manteve a previsão para a taxa de juros no fim de 2016 em 13,75% ao ano. Atualmente, os juros estão em 14,25% ao ano. Já para o fechamento de 2017, a estimativa para a taxa de juros ficou estável em 11% ao ano - o que pressupõe uma queda maior dos juros no ano que vem. A  projeção para a taxa de câmbio no fim de 2016 ficou estável em R$ 3,25. Para o fechamento de 2017, a previsão dos economistas para o dólar permaneceu em R$ 3,40. linha azul victor danich Tecnologia nacional na área de robótica Os processos de automação e robotização vêm se tornando uma pauta regular das discussões em grande parte das indústrias brasileiras, onde pode ser percebida uma clara tendência para investimentos substanciais na melhoria de processos e produtos através da incorporação dessas tecnologias, principalmente daquelas que possam ser desenvolvidas por meio da nacionalização de equipamentos. Sabe-se que o Brasil, como país industrializado num contexto econômico emergente, estas novas tecnologias de automação e robotização cumprem um papel importante em diferentes setores industriais, o que leva a procura por parte de empresas focadas nesse segmento, a trabalhar fortemente no campo da Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), de modo a fortalecer o desenvolvimento autônomo de tecnologias de ponta. Nesse sentido, o Núcleo de Inovação e Pesquisas Tecnológicas – JaraguaTec, acompanhado a tendência mundial do uso da robótica na indústria de manufatura, incorporou recentemente a seu habitat de inovação a empresa RBR – Robotics Brasil, que se destaca em projetos de nacionalização e fabricação de equipamentos de automação e robotização, iniciando suas atividades na região com um grande projeto em Sergipe para a automação do processo de carga e descarga de fornos cerâmicos. A solução contemplará a instalação de dois robôs com capacidade de 500kg e todos os periféricos para movimentação, agrupamento, seleção de produtos, além da paletização e embalagem. O sistema será totalmente automático e também controlará as funções de execução de equipamentos de empresas parceiras. Serão incorporadas funções de controle de temperatura de fornos e secadores, velocidade e regime de trabalho de todo o grupo de equipamentos. A planta ainda contará com comunicação e sincronia entre todos os equipamentos e fornecerá dados produtivos para geração de informações para controle de produção e intervenção no sistema de gerenciamento através de um software supervisório. O projeto contará com interface de controle para a otimização do uso das potências instaladas. Nada melhor que uma partida de sucesso para afiançar o desenvolvimento autônomo de novas tecnologias, tão necessárias ao crescimento da indústria produtora de bens e serviços, assim como a inserção do Brasil no cenário mundial da inovação tecnológica.