“Será um grande divisor de águas”, diz Donini sobre curso de medicina

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 04:00 - 29/09/2016

OCP News Jaraguá do Sul
O empresário e presidente do Conselho do Hospital São José, Vicente Donini, avalia como positiva a confirmação da abertura de um curso de medicina em Jaraguá do Sul. Na entrevista a seguir, ele fala sobre os reflexos que a medida deve ter para o sistema de saúde e econômico do município. Em sua avaliação, como a vinda do curso de medicina pode beneficiar o município em termos de desenvolvimento da saúde? Acredite, a instalação do curso de medicina em Jaraguá do Sul será um grande divisor de águas, não só no que toca a evolução da qualidade dos serviços de saúde, como também do ponto de vista econômico. Daremos um grande salto qualitativo, em todos os aspectos. Como estimular que estes profissionais permaneçam na cidade após a conclusão do curso? Temos demanda para tantos profissionais de saúde? Jaraguá do Sul receberá alunos de várias partes do Brasil, em especial os da região Sul. De todos os cursos, o de medicina é o mais concorrido e, disparadamente, o mais caro de todos. Uma vez formados, parte deles permanecerá aqui, outros retornarão às suas origens, pois não há demanda para todos. A retenção depende de oportunidades que lhes serão oferecidas. Que outras ações precisam ser tomadas em paralelo à vinda do curso para garantir que o município de fato tenha avanços mais concretos na saúde? Os ganhos qualitativos se darão por irradiação, pois ao longo do curso, os alunos cumprirão estágios em nossos hospitais, postos de saúde e no programa de saúde familiar. É uma mão de obra qualificada, em fase de formação. Isso ajudará muito. E mais, finda a formação acadêmica, parte dos formandos, em nível de pós-graduação, cumprirão a residência médica em nossos hospitais. Quais outros benefícios que Jaraguá do Sul poderá ter? Vislumbro duas grandes vertentes que, por decorrência, contribuirão para com o desenvolvimento econômico de Jaraguá do Sul, ou seja, a implementação de outros cursos ligados à área da saúde, com a consequente expansão do Complexo da Católica de Santa Catarina ou, quiçá, a implantação de um novo Campus Universitário em nossa cidade. Adicionalmente, repúblicas estudantis, apart hotel e apartamentos serão muito demandados, bem como alimentação, lavanderia e toda sorte de serviços correlatos. Em cinco anos, Jaraguá do Sul já não será a mesma. linha azul Confiança da indústria cresce e revela melhora A confiança da indústria aumentou e atingiu o maior nível desde julho de 2014, revelando melhora do cenário. O avanço do indicador foi de 2,1 pontos, para 88,2 pontos, o maior nível desde julho de 2014, segundo a Fundação Getúlio Vargas. Dos 19 segmentos da indústria pesquisados, 12 registraram alta, influenciada tanto pela melhora das expectativas quanto das avaliações sobre a situação atual. linha azul Velhas Kombis são exportadas A cena se repete, semana sim, semana não, no Porto de Santos: os caminhões-prancha estacionam com dezenas de velhas Kombis que, depois, são amarradas dentro de contêineres. Umas ainda cheiram a tinta da restauração recente; outras têm aparência cansada, com cicatrizes de quem acabou de deixar a labuta na feira. Em comum, o fato de serem parte das 426.715 Kombis fabricadas no Brasil entre 1957 e 1975 e de estarem sendo vendidas por mais de R$ 30 mil para países da Europa. São da geração que ostenta um ressalto em V na frente, foram apelidadas de “corujinhas” pelos fãs de Volkswagen. Hoje, entre comerciantes sérios, aventureiros e especuladores, há no país em torno de dez exportadores especializados em Kombis antigas. A maioria dos compradores é da Alemanha, o país que lançou a Kombi em 1950. As outras encomendas, por ordem de volume, vêm da França, do Reino Unido, da Holanda e da Bélgica. linha azul Turismo de saúde Cada vez mais empresas dos Estados Unidos oferecem a seus funcionários planos de saúde com a opção de viajar para um país latino-americano para receber tratamento médico. A informação foi divulgada ontem durante a Cúpula Latino-Americana de Turismo de Saúde, em Los Angeles. “Cerca de 5% dos empregadores nos Estados Unidos estão oferecendo a seus funcionários planos de turismo médico. O crescimento em dois anos destes programas foi exponencial”, afirmou em entrevista à Agência Efe Massimo Manzi, diretor-executivo do Conselho para a Promoção Internacional de Medicina da Costa Rica (Promed).
×