Santa Catarina foi o Estado com maior crescimento no abate de suínos em 2015

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

sexta-feira, 04:00 - 18/03/2016

OCP News Jaraguá do Sul
Santa Catarina foi o Estado com maior crescimento no abate de suínos em 2015. No ano passado, a variação foi de 9,1% em relação a 2014. No Brasil, no acumulado de 2015 foram abatidas 39,26 milhões de cabeças de suínos, aumento de 5,7% em relação ao ano anterior. A série anual mostra que houve crescimento ininterrupto desta atividade desde 2005, culminando com novo patamar recorde em 2015. Os dados foram divulgados ontem pelo IBGE. O órgão também informou que em 2015 foram abatidas 30,64 milhões de cabeças de bovinos no país, com queda de 9,6% em relação a 2014. Nesse mesmo ano, foram abatidas 39,26 milhões de cabeças de suínos, um aumento de 5,7% em relação ao ano de 2014. Essa atividade vem crescendo continuamente desde 2005. O abate de frangos cresceu 5,4% e bateu novo recorde, com 5,79 bilhões de cabeças. A aquisição de leite (24,05 bilhões de litros) em 2015 recuou 2,8%, enquanto a aquisição de couro pelos curtumes (32,55 milhões de peças inteiras de couro cru bovino) caiu 10,5%. A produção de ovos de galinha (2,92 bilhões de dúzias) cresceu 3,5%, ainda em relação a 2014. * * * 12,2% Foi o recuo na procura das empresas por crédito em fevereiro de 2016 na comparação com o mês do ano passado. O dado é do  Indicador Serasa Experian de Demanda das Empresas por Crédito.

* * *

92% É o percentual de procura por chocolate (92,0%) entre as compras de Páscoa em SC. Confecções e calçados (5,4%) e brinquedos (1,6%) vêm na sequência, segundo pesquisa da Fecomércio e da FCDL.

* * *

76% É a porcentagem de compras que serão pagas em dinheiro, na mesma pesquisa. Depois, aparecem as opções pelo cartão de crédito parcelado (9,1%) e pelo cartão com quitação à vista (6,8%).

* * *

Fabiana KochMelhor momento para engajar o colaborador O que dizer diante deste cenário caótico que vive o nosso país. Estamos nos sentindo meio “palhaços”, tenho certeza. Mas e aí, o que fazer? Numa das meditações da semana, cheguei a conclusão de que rir ainda é o melhor remédio. Afinal, chorar não nos fará mais fortes nem melhor preparados para enfrentar os problemas econômicos do nosso Brasil. Quero lembrar que este momento de crise é altamente favorável ao engajamento dos profissionais no trabalho. Muitas demissões e o clima de incerteza, colocam as pessoas realmente comprometidas a níveis ainda maiores de comprometimento. E aqueles que antes, reclamavam e desmereciam a empresa ou o cargo, podem estar tendo atitudes mais positivas. Por isso que o líder deve aproveitar esta oportunidade para fortalecer o seu time. Com a capacidade de inspirar as pessoas, estabelecer o foco e colocar direção para se alcançar o futuro visualizado, o líder é o melhor impulsionador de resultados. Envolver a equipe na busca por soluções e projetos inéditos pode ser a grande oportunidade de vida de um líder. O líder é gerador de esperança. E ter esperança nas pessoas, nos negócios e no futuro é fundamental. Quando menciono esperança, me refiro ao realismo positivo. Nada de ignorar a realidade, e sim, acreditar que soluções são geradas a partir de dificuldades. Esperança é confiar que o resultado esperado se realizará, a partir do momento que o que poderia e precisava ser feito foi. Líder, reflita sobre o que vem sendo feito para comprometer a sua equipe. Como você está alimentando a sua esperança? E o que você está fazendo para propagar a esperança na sua equipe? Alimente a esperança, faça o que tem que ser feito e fique bem!

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO

×