O empresário e contador Rogério Maldaner (foto ao lado) retorna à presidência da Associação Empresarial de Schroeder (Acias) para comandar a entidade pelo biênio 2016-2017. Fundador da associação e segundo presidente eleito, em 1997, Maldaner e o vice Claudio Adão da Cruz serão empossado oficialmente no dia 25 de fevereiro, em uma cerimônia que deve reunir boa parte dos mais de 160 associados da entidade. Entre as principais metas da nova diretoria está a instituição de uma gestão mais aberta e acessível, com o objetivo de fortalecer ainda mais o associativismo na cidade e buscar soluções conjuntas para superar as dificuldades trazidas pela atual conjuntura econômica. “O empresário precisa, além de tudo, acreditar no seu negócio e ter coragem para mudar. A crise é um momento em que se pode crescer, se o empresário souber transformar o desafio em oportunidade. O associativismo é importante porque pensa no que é melhor para o meio econômico e social, o ambiente de negócios, e é através disso que se cria um cenário mais positivo. O associativismo é a maneira mais eficiente de sair mais rápido da crise”, defende Maldaner.

 * * *

2,1%

Foi o recuo no consumo de energia elétrica no país em 2015, em relação ao registrado em 2014, segundo os dados divulgados ontem pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A região Sul teve a maior queda entre os subsistemas, de 3,3%.

* * *

3,01%

É a previsão de queda na economia brasileira em 2016, segundo relatório Focus do Banco Central divulgado ontem.

* * *

Fecomércio-SC considera medida insuficiente

A Fecomércio-SC avalia que a abertura de R$ 83 bilhões nas linhas de crédito, divulgada pelo governo federal, pouco contribui na capacidade de dinamizar a economia e o emprego. Para o presidente da entidade, Bruno Breithaupt, “não falta crédito, falta segurança por parte das empresas e do consumidor quanto ao retorno dos investimentos”. Ele acredita que um programa de medidas com reforma administrativa, tributária e trabalhista é a única maneira de dinamizar a economia.

* * *

Expectativa de inflação sobre para 7,26%

A projeção de instituições financeiras para a inflação este ano continua a subir. No quinto ajuste seguido, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) passou de 7,23% para 7,26%. Para 2017, a estimativa sobe por três semanas consecutivas – desta vez, passou de 5,65% para 5,80%. A projeções são do boletim Focus, elaborado pelo Banco Central (BC).

* * *

Vendas na indústria catarinense caem 12% no ano passado

As vendas da indústria de Santa Catarina caíram 12% em 2015, na comparação com 2014. O desempenho foi negativo para 13 dos 16 setores pesquisados, sendo que as maiores reduções foram registradas nos segmentos de vestuário (-25,2%), alimentos (-20,1%) e veículos e autopeças (-16%). Os números foram divulgados ontem pela Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc), autora do estudo. Esta foi a maior desaceleração nas vendas da indústria catarinense desde 2004, quando teve início a pesquisa Indicadores Industriais de Santa Catarina. Anteriormente, os maiores recuos haviam sido registrados em 2005 e 2009, com -9,6% nos dois anos.

Desempenho positivo

Os únicos setores com aumento no faturamento foram os de diversos (14,3%, com forte participação do segmento de equipamentos odontológicos), informática, eletrônico e óticos (11,3%) e madeira (6,3%).

Pior que cenário nacional

A desaceleração sentida no Estado foi superior à registrada no Brasil. De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), as vendas da indústria brasileira fecharam o ano passado com queda de 8,8%.

Outros índices

Também ficaram negativos em Santa Catarina no ano passado os indicadores de horas trabalhadas na produção (-8,2%), massa salarial real (-3,5%) e a utilização da capacidade instalada (-2,4 pontos percentuais, para 81,1%).