Respeito à melhor idade

Colunistas

Por: William Fritzke

sábado, 01:35 - 13/02/2016

William Fritzke
Infelizmente, existem muitas pessoas que desrespeitam nosso idosos. Quase em sua grande maioria, os causadores do desrespeito são pessoas bem mais novas que se aproveitam da fragilidade dos “mais antigos” para ofendê-los ou agredi-los. Idiotas! Mal sabem eles que, tendo atitudes mesquinhas como essas, estão prejudicando seu próprio futuro. Me senti “balançado” a escrever sobre esse tema, depois que ouvi um discurso de aniversário de um amigo meu, senhor Reiner Modro, com seus 70 anos de muitas conquistas, ele elencou grandes feitos que só foram possíveis graças “a mão” dos mais velhos. Atenção, você, novato na escola da vida, que acha que sabe tudo, que é o maioral, que é o bonzão, prepare-se para uma aula de cultura, o que talvez você não tem! O escritor francês Victor Hugo nos ensina que: “Nos olhos dos jovens vemos chamas, mas, nos olhos dos mais velhos que vemos a luz”. O grande escritor alemão Goethe conclui uma de suas maiores obras, Fausto, aos 82 anos, Ticiano Vecellio pintou suas obras mais valiosas aos 98 anos, Arturo Toscanini, um dos mais aclamados músicos dos séculos XIX e XX, regeu orquestras aos 87, o grande inventor Thomas Edison trabalhava em seu laboratório aos 83, Benjamin Franklin contribuiu com o projeto da Constituição dos Estados Unidos aos 81, o venezuelano Jacinto Convit descobriu a vacina para lepra e está a ponto de realizar o desenvolvimento de uma vacina contra o câncer, aos 96 anos. E aí, bonitão, que se acha o cara no alto de seus 20 anos? Sim, você que costuma destratar os mais velhos, conhecia pelo menos dois desses exemplos? Ainda se acha o maioral? Tadinho! Mais respeito, por favor. A farda polêmica Uma rede de televisão que por vezes presta desserviço ao Brasil com seu jeito de “fazer jornalismo” bem “parcial”, novamente pisou na bola. Dessa vez resolveram atacar a PM de SP por ter postado em sua rede social uma foto de um bebê fardado. Oras, vergonha é ver crianças ainda cheirando a leite quebrando o quadril e fazendo o quadradinho, vergonha são esses projetos de funkeiros que, no alto de seus oito anos, cantam músicas com letras horrorosas falando em sexo explícito. Isso, claro, sem falar de algumas crianças submetidas a fantasias abomináveis em um desfile que ocorreu em SP algum tempo atrás. Agora estar fardada é um orgulho, para os pais, que são policiais, e para a criança, caso no futuro siga o caminho. Há muito tempo atrás, um pai e uma mãe, desses que a tal TV crítica, colocou uma fardinha em seu filho, em Florianópolis, e tiraram uma foto. Hoje, mais de 30 anos depois, a pobre criança “submetida a esse ato vergonhoso” se tornou comandante-geral da PM de Santa Catarina. Hipócritas! Muito estranho Podem me chamar de doido, mas não me conformo com tantas novas doenças que aparecem por aí do nada. Já surgiu o Ebola, a gripe aviária e agora o tal do vírus Zika. Olha, eu quero crer que se forem a fundo atrás disso vão descobrir que essas doenças não surgem do nada. Pode haver grande contribuição humana! Em 2014, estive por quase um mês em Portugal. Do nada começou a se falar da Legionella, uma doença que já tinha matado cinco pessoas e que estaria vindo do vapor da água do chuveiro. Os portugueses entraram em pânico e não queriam mais tomar banho. Investiga daqui e de lá, foi descoberto que o vírus estava sendo causado por bactérias que haviam se alojado nas chaminés de uma fábrica de fertilizantes, e que os infectados tinham passado lá por perto. Obviamente que o culpado não é a empresa no caso, mas, há intervenção humana (por falta de manutenção no equipamento). É aí que eu quero chegar, tão importante quanto descobrir a cura é descobrir como ela começou!  

×