Rastreamento e técnicas modernas reforçam tratamento do câncer de pulmão

Foto: freepik

Por: Giovani W. Mezzalira

08/08/2023 - 10:08

 

O câncer de pulmão é o mais comum de todos os tumores malignos e também o tipo de câncer que apresenta a maior taxa de mortalidade.

 

O principal fator de risco está associado ao consumo de derivados de tabaco, independentemente da quantidade. Histórico familiar de câncer de pulmão ou de câncer prévio também aumentam o risco, bem como exposição a agentes químicos inalados geralmente por profissionais que trabalham em minas de carvão e fábricas que utilizam amianto e asbesto na sua matéria prima.

 

Os sintomas mais comuns da doença são a tosse e o sangramento pelas vias respiratórias (hemoptise). Pneumonia de repetição também pode ser uma manifestação inicial dessa doença. Em indivíduos fumantes, geralmente há modificação no padrão da tosse, como por exemplo, mudança na intensidade ou na frequência desse sintoma.

 

O câncer de pulmão é considerado como uma doença insidiosa, por não apresentar sintomas em suas fases iniciais. Consequentemente, o diagnóstico na maior parte das vezes é feito nos casos de doença avançada, o que dificulta o tratamento.

 

Hoje em dia, técnicas de rastreamento de câncer de pulmão têm sido utilizadas para detectar precocemente esses tumores e possibilitar um tratamento que busque a cura e/ou controle da doença. Este rastreamento é realizado com exames tomográficos principalmente em pacientes com as seguintes características:

  • Idade entre 50 e 80 anos
  • História de tabagismo com carga tabágica de 20 maços ou mais por ano (visite o site toracopulmonar.com.br e use a calculadora para saber a sua carga tabágica)
  • Que atualmente fumam ou pararam de fumar nos últimos 15 anos

 

A partir deste rastreamento faremos uma tomografia computadorizada do tórax para vermos se existe alguma alteração, caso tenha algum nódulo, este passara a ser observado mais de perto, caso não tenha deixaremos agendada uma nova tomografia em um ano.

Hoje com este modelo conseguimos mudar a realidade, que é tratar o câncer avançado e passamos a tratar
tumores muito iniciais que apresentam uma taxa de cura acima de 90%

O tratamento melhor para o tumor pulmonar em estágio inicial é o tratamento cirúrgico e hoje com as técnicas minimamente invasivas, videocirurgia e cirurgia robótica, conseguimos uma taxa de risco pequeno. Mesmo os octogenários se beneficiam do tratamento e ficam curados ao invés de serem condenados a terem um câncer que vai evoluir em pouco tempo.

Temos como exemplo uma senhora em ótimo estado geral, com seus 86 anos, que fez uma tomografia e diagnosticou um câncer (maligno) de 1 cm, estágio inicial. Após todos os especialistas liberarem ela para a cirurgia comriscos baixos, eu fiz uma cirurgia para retirar o segmento pulmonar com o nódulo maligno pela técnica robótica e a paciente de 88 anos teve alta no terceiro dia após a cirurgia.

Foto: divulgação

Esta foto acima mostra da esquerda para a direita um nódulo pequeno que se não tratado vai evoluir para uma massa com chances muito menores de sobrevida.

A foto acima mostra os critérios de inclusão para que as pessoas analisem e por si só procurem o especialista para fazer o seu check up.

Onde atende:

Clínica Toracopulmonar (Dr. Giovani Mezzalira – CRM-SC 8611)

Endereço: Rua João Planincheck, 1990, sala 513, Jaraguá Esquerdo, Jaraguá do Sul – Edíficio Blue Chip Centro Executivo

Instagram (clínica): @clin.toraco

Instagram (profissional): @giovani_waltrickmezzalira

Telefone: (47) 3276-1499