O suposto “macho”

Colunistas

Por: William Fritzke

segunda-feira, 06:28 - 28/03/2016

William Fritzke
Macho alfa ou macho alpha é uma expressão do ramo da zoologia, usada para descrever um elemento de um grupo de animais que apresenta características dominantes, sendo o líder desse grupo. No caso do ser humano, um macho alfa (ou homem alfa) é a designação de um indivíduo dominante e confiante, que exerce uma função de liderança perante outros elementos do grupo. Por outro lado, um macho beta (ou ômega) é visto como um homem não tão confiante, mais submisso, com menos capacidade de sedução. Apesar disso, muitas mulheres revelam que preferem estar em um relacionamento com um homem/macho beta ou ômega. Ok! Essa explicação toda não fui eu que inventei, é o que consta nos livros! Através dessa explicação, vamos chegar em uma situação que me chama atenção, a dos supostos “machões”, aqueles caras que quando saem de casa e bebem umas e outras, se acham os reis da balada, os chefes do bando, o Godzilla jaraguaense. Quando você vê um bombeiro enfrentando o fogo, um policial enfrentando um tiroteio, um professor indo para a sala de aula com o salário que ganha neste Brasil, enfim, quando você vê situações como estas, estamos lidando com “machos”, com “fêmeas”, com pessoas de respeito. Agora, quando um babacão, que muitas das vezes apanhava na saída da aula ou batia nos menores, e agora está acima do peso, mas se acha musculoso, vai para as baladas, festas, restaurantes e afins, enche a cara e quer arranjar briga para demonstrar que é o maioral, esse demonstra que é na grande realidade um ator, está bancando um personagem, pois por dentro está em crise. Precisa de qualquer forma mostrar poder, e o faz afogando as mágoas na cachaça. Eis que surge uma nova espécie, o Jumento Alfa!

* * *

Fanatismo faz mal! Tudo o que é demais, faz mal. O fanatismo é algo extremamente perigoso e que deve ser repudiado. Gostar muito de algo é uma coisa, agora, fazer tudo por aquele algo, isso já é demais! Falo dos manifestantes políticos cegos por suas ideologias partidárias que não querem admitir que seus ídolos talvez sejam bandidos. Falo de algumas torcidas organizadas de futebol que vão para o estádio munido de utensílios perigosos para serem utilizados em brigas, já previamente marcadas, e falo principalmente desta loucura que ocorre no Oriente Médio, principalmente envolvendo o Estado Islâmico. Mais de 30 pessoas morreram novamente, desta vez em Bruxelas, na Bélgica, devido aos ataques. Por sorte os EUA deram o troco matando o número 2 do grupo. Tem coisas que só se resolvem assim, na bala! Ou você acredita em ressocialização para esses caras? Tá de sacanagem...

* * *

Vale tudo por dinheiro? Essa semana, uma propaganda de uma escola de natação do Rio Grande do Sul me chamou atenção. A propaganda mostra, em destaque, a foto de um bebê debaixo d’água. Ao lado, menor, está a imagem que abriu a discussão: a do menino sírio que morreu afogado na Turquia e tornou-se símbolo da tragédia dos refugiados do Oriente Médio. Para piorar ainda mais o que já era horrível, escreveram ao lado os seguintes dizeres: “9 meses para nascer, 3 anos para crescer, e 2 minutos pra ficar sozinha em 1 minuto pode morrer afogada.” Gente, se utilizar de situação horrível como essa para ganhar dinheiro é o fim da rosca. Que vergonha hein, senhor proprietário.
×