O brasileiro está mais pobre

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

sábado, 04:00 - 03/09/2016

OCP News Jaraguá do Sul
Os três anos consecutivos sem crescimento econômico, que serão completados ao fim de 2016, resultarão na segunda maior queda na renda per capita dos brasileiros em 70 anos. O Instituto Brasileiro de Economia da FGV-Rio estima que o PIB per capita acumule retração de 9,1% no período. Desde 1947, quando começa a série oficial do IBGE, apenas no período recessivo de 1981 a 1983 a renda encolheu mais: 12,4%. Em valores correntes, se o ano acabasse em junho, o PIB per capita seria de US$ 8.850. Menos da metade dos US$ 20 mil do mundo desenvolvido e bastante distante da melhor performance do país, registrada em 2011, quando ficou em US$ 13,2 mil. “Na prática, isso mostra que todos estamos mais pobres. Vamos levar anos para recuperar o pico atingido em 2011 e estamos cada vez mais distantes do valor considerado ideal para se ter bem-estar social das pessoas”, analisa Silvia Matos, economista do Ibre/FGV. O empobrecimento da população, lembra ela, explica a queda no consumo das famílias medido pelo PIB. linha azul Qualificação contra crise Bares e restaurantes catarinenses estão sendo estimulados pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-SC) a investir em qualificação para conseguirem melhores resultados. O programa Abrasel Qualifica, fruto de convênio com o Sebrae-SC, oferece cursos de baixo custo em diversas áreas do segmento, com curta duração e vagas limitadas. E vantagem de 50% de desconto para associados. Raphael Dabdab, presidente da Abrasel no estado, diz que a capacitação é importante para amenizar os efeitos da crise. “Um em cada três restaurantes do país opera no prejuízo e esta é uma foram simples e barata para amenizar este quadro”, afirma. Mais informações no e-mail secretariasc@abrasel.com.br. linha azul Destaque da Índia no Brics O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro voltou a registrar queda no segundo trimestre de 2016, segundo mostram os dados divulgados na última quarta-feira (31) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o Brasil e a Rússia em crise, a África do Sul registrando atividade econômica fraca e a desaceleração chinesa, a economia indiana é destaque de expansão entre os Brics (grupo formado por esses países). A economia da Índia cresceu mais que a da China em 2015 pela primeira vez desde 1999, e a previsão do Fundo Monetário Internacional é que essa seja uma tendência pelos próximos anos. No segundo trimestre de 2016, o PIB da Índia cresceu 7,1% contra o mesmo período de 2015. Na mesma base de comparação, a economia da China teve uma expansão de 7%, enquanto a do Brasil, registrou um recuo de 3,8%. linha azul Walmart cortará 7 mil postos de trabalho A rede ---varejista Walmart vai cortar cerca de 7.000 postos de trabalho nos EUA, a maior parte em contabilidade e outras posições administrativas, conforme informação do “Wall Street Journal”. Entre as funções a serem eliminadas, estão as de trabalhadores que gerenciam fluxos de caixas de uma loja apenas. A empresa vem se empenhando em colocar mais funcionários na área de vendas, enquanto reduz as equipes do setor administrativo, conforme o “WSJ”. Recentemente, criou um sistema de escala de trabalho para 650 lojas nos EUA a fim de aumentar as equipes os horários de pico. A companhia afirmou ainda que vai investir US$ 2,7 bilhões em treinamento dos funcionários. linha azul Crescem vendas pela internet As vendas pela internet no país movimentaram R$ 19,6 bilhões no primeiro semestre, um aumento de 5,2% em relação ao mesmo período de 2015. Os dados são do 34º WebShoppers, o principal relatório sobre o e-commerce brasileiro.Três fatores teriam sido determinantes para o desempenho do setor nos primeiros seis meses do ano, de acordo com o estudo: o aumento de 7% no valor do tíquete médio, que subiu a R$ 403,46, puxado pela alta de preços registrada pelo Índice FIPE/Buscapé; a maior participação das classes AB nas compras online; e a manutenção das vendas de categorias de produtos de maior valor, como “Eletrodomésticos” e “Telefonia/Celulares”. Colaborou ainda para o bom movimento das vendas, segundo a WebShoppers, o aumento de 31% no número de consumidores virtuais ativos (aqueles que realizaram pelo menos uma compra no período), que chegou a 23,1 milhões. linha azul Imóveis têm queda real de 8,95%  O preço médio dos imóveis anunciados para venda teve queda de 0,03% nos últimos doze meses terminados em agosto, segundo o índice FipeZap. No entanto, considerando a inflação esperada para o período, de 8,95% pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), a queda real do preço dos imóveis foi de 8,24% no período. A maior queda registrada pela pesquisa foi no Rio de Janeiro, com baixa de 3,42% nos preços.  
×