Achando pertinente para o momento atual, escrevo aqui um breve relato de uma viagem à fronteira das duas Coreias, realizada em 2015. Para chegar à DMZ – letras que identificam uma área desmilitarizada que consiste a fronteira da Coreia do Sul com a Coreia do Norte, fui em um ônibus que partiu de um hotel pretensioso em Seul, na Coreia do Sul. Após cerca de meia hora ou 45 minutos de condução, o ônibus com um grupo de umas 20 pessoas, entrou na DMZ, onde o controle militar e restrições à circulação começam a formar parte da vida cotidiana. A área ao redor da DMZ é bonita. Deve ser dito que embora a divisão seja uma tragédia para os seres humanos, tem sido uma bênção para a flora e fauna da região. Logo passamos o posto de controle, onde o passaporte e roupas foram verificados. Sim, o vestuário. Como o guia insistiu; camisas com golas apenas, sem shorts ou minissaias, nem sandálias. Não era claro para mim, inicialmente, se a intenção era para o grupo ter uma boa aparência, ou se era apenas para garantir que nós não estávamos indo como hippies ou surfistas. No entanto, uma vez na visita, tornou-se evidente por que o código de vestimenta para o local. E por que isso? O guia nos pediu para olhar feliz e sorrir. “Nós queremos ter certeza de que eles, os norte coreanos que nos observam pelos binóculos, sabem que estamos felizes por aqui”, disse o guia. Independentemente do meu próprio desconforto ao ser utilizado para propaganda, o peso do lugar e sua história fez um sorriso alegre parecer errado e fora do lugar. Também fomos instruídos a não apontar ou fazer qualquer gesto para com os guardas norte-coreanos, pois eles podem tirar fotos de nós e usá-las para fins de propaganda. Numa construção grande, modernidade que fica apenas neste lado da fronteira, uma plataforma de observação, onde fomos autorizados, a única vez, para tirar fotografias. Também foram autorizados binóculos. Procurava pessoas no lado norte coreano. Avistei guaritas camufladas por árvores e arbustos, e numa área limpa, numa espécie de campo de futebol, podia-se ver um grupo de cinco pessoas. Embora o nosso guia tivesse dito que eles eram muito provavelmente não norte coreanos, na maioria dos casos, sem permissão para visitar a DMZ. Provavelmente eram turistas chineses, disse o guia. Da mesma forma , os sul-coreanos devem passar por um extenso processo de verificação de antecedentes e habilitação para obter permissão para ir a Coreia do Norte, o que na prática tende a ser traduzido como "os sul-coreanos não têm permissão para ir". Aparentemente, o Norte é um provável destino turístico para os viajantes chineses. Acesso do turista à Coreia do Norte, por todas as contas, varia consideravelmente dependendo do humor do seu governo, que no momento não está nada pró-turismo.