Não podemos nos omitir

FOTO: facebook

Por: Antídio Aleixo Lunelli

29/09/2023 - 13:09 - Atualizada em: 29/09/2023 - 16:13

 

Antídio Aleixo Lunelli
Deputado estadual

Diante do desgoverno que assola o Brasil, a luz no fim do túnel é saber que não estamos sozinhos. Temos muitas pessoas insatisfeitas e dispostas a lutar pelo nosso país. Somos mais de 58 milhões de brasileiros, segundo os dados da última eleição. Entre essas pessoas, está o ex-procurador da República, Deltan Dallagnol, mais uma vítima do sistema que persegue quem pensa diferente.

Na palestra realizada em Jaraguá do Sul, na noite de quinta-feira, a convite do jornal O Correio do Povo, Dallagnol destacou uma opinião da qual compartilho e enfatizo: o governo Lula sempre teve um viés autoritário de esquerda e usa como tática o aparelhamento do Estado para perseguir e calar opositores. Além disso, está usando o STF como instrumento para pregar sua ditadura no Brasil.

O Supremo Tribunal Federal atropela as prerrogativas dos outros Poderes, especialmente o Congresso, e abusa da sua posição institucional ao favorecer amigos e prejudicar inimigos, ao desrespeitar o Parlamento e a democracia que elegeu um Congresso de direita.

Estamos sendo governados por alguém condenado em três instâncias por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Isso não é certo. E quem vai pagar, novamente, por esse desgoverno, somos nós. Com menos investimentos, mais dívidas, menos dinheiro na mão dos trabalhadores, mais impostos, menos liberdade.

Agora, mais do que nunca, precisamos unir forças para retomar o rumo do desenvolvimento. Precisamos de lideranças corajosas, capazes, que são apaixonadas pelo Brasil, que não se curvem perante o sistema e que, acima de tudo, sejam honestas e competentes.

A ordem e o progresso do Brasil dependem da união de trabalhadores, empresários, agricultores e políticos. De jovens, adultos e idosos. Depende de todos nós!

O Brasil é um país maravilhoso, mas não pode continuar sendo sempre o país do futuro. Não podemos desistir e nem nos amedrontar. Precisamos cobrar, fiscalizar e lutar contra a corrupção e ineficiência. Precisamos nos envolver com a política porque tudo depende dela. Quem se omite e não participa, acaba dando um cheque em branco para aqueles que estão sempre querendo tirar vantagem do povo brasileiro. Não esqueçam que a política não é para políticos, a política é para todos. Participem e ajudem a fazer do Brasil o país do presente, com um ótimo futuro!