Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Foto: Eduardo Montecino/OCP Online
Sim, se olharmos Jaraguá do Sul num âmbito global ou até nacional, a cidade não passa de uma cidadela que acabou de nascer. Jovem e com muito a aprender. Mesmo jovem, sua história é permeada por definições incertas que, no final, muita diferença não faz, mas existem... Como, por exemplo, o real dia de fundação de Jaraguá City. Segundo um historiador, amigo meu, poderia ser qualquer dia após 15 de abril de 1876. E, por um motivo ou outro, escolheram 25 de julho. Na minha opinião (que não faz diferença alguma) a data do aniversário da cidade deveria ser tipo páscoa. Não um dia, mas uma época: “Essas terras, denominadas Jaraguá, terá sua fundação comemorada na terceira segunda-feira de julho!”. Hein? Que maravilha seria um feriado local sempre numa segunda-feira. Ó, candidatos, dica de promessa de eleição: Fazer desta data um feriado flutuante. Mas veja lá, hein? Promessa tem que ser divida, por que aqui pela cidade tem alguuuuumas pessoas que adoram contar história de pescador. Segundo um geólogo, amigo meu, tempos atrás essas terras eram litorâneas. O mar batia bem ali onde é, hoje, o Colégio Waldermar Schmitz e, com a diminuição do nível do oceano, o Atlântico foi secando, secando, secando e tudo virou bairro. Deixamos de ser peixeiros, mas ficaram as histórias de pescadores. Inclusive eu, que não conheço geólogo algum, mas sempre dá uma credibilidade... Você já percebeu? Como tem jaraguaense que possui uma tara com essa coisa de supermercado? Já perdi a conta de quantas vezes ouvi à boca pequena que iam fazer um Big na cidade. Qualquer tapume que se erguia, era a construção do Big. Agora, segundo as fontes do Por Acaso, vão inaugurar um Giassi. Lembro quando estavam fazendo aquela construção na frente da casa do falecido Menel (Agora eu sou oficialmente velho. Falando coisas antigas e chamando pessoas que já se foram de “falecido”) era um auê só! Por que é o Big, é um Angeloni, é mercado isso, mercado aquilo. Até que instalaram placas pela cidade com um símbolo que ninguém sabia o significado e, duas semanas depois, anunciou-se a inauguração da Hari-om. Também sempre ouvi dizer que abririam um mercado ali na Marechal, onde havia um prédio antigo, na esquina da Casa China, na frente do Rico Açaí. Era sempre uma dúvida. Uns diziam: “Vai ser um Big” e outros: “Entenderam errado, não é o supermercado Big. É um novo Big Bowlling, por que o do shopping vai cair.”... Era sagrado, sempre que tinha um show marcado no Big Bowlling, corria a história de que, dessa vez, a indicação era não ir por que o piso iria desabar. No final, não desabou, o B.B. fechou e ali no galpão não abriu mercado e nem boliche, abriu uma Universal. Com aquele pátio super cobiçado como estacionamento, por quem não quer pagar o azulzinho. Isso é errado! Um teólogo, amigo meu, disse que suprimiram da Bíblia original um versículo que dizia assim: Ame teu irmão e ceda estacionamento. Enfim, os anos passarão, Jaraguá do Sul há de ganhar novos mercados e, com o tempo, a cidade amadurecerá e mentiremos menos. (Mentira! Só seremos mais convincentes).