Indústrias de alimentos e têxtil de SC podem vender para o Exército

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 04:00 - 31/03/2016

OCP News Jaraguá do Sul
hc-0352

Representantes das Forças Armadas e da Fiesc se reuniram para debater oportunidade de negócios - Foto: Heraldo Carnieri/Divulgação Fiesc

Representantes dos setores de alimentos e têxtil de Santa Catarina podem aproveitar oportunidades de ampliação de fornecimento oferecidas pelo Exército brasileiro. A diretoria de abastecimento da instituição, responsável pelas compras de alimentos, fardamento, combustível e munição, tem orçamento anual de cerca de R$ 1 bilhão (sem risco de contingenciamento, segundo representantes das Forças Armadas). “O orçamento da União para a área militar é grande. A indústria catarinense tem que ficar atenta. Eles compram e pedem características específicas no produto. Então, a empresa que se habilita tem que ter um mínimo de tecnologia, de organização e certificação, mas não é difícil”, afirmou o coordenador do Comitê, Cesar Augusto Olsen, em reunião com a Fiesc nesta semana. Em alimentos são gastos R$ 320 milhões por ano. Outro setor que já fornece, mas pode ampliar a participação, é o têxtil. Só de fardamento, a instituição adquire cerca de três mil itens, gastando R$ 180 milhões por ano para compra de materiais como uniformes camuflados, coturnos, boinas, camisetas, calção, meias, capacetes, coletes, toalhas e conjuntos de cama. As indústrias interessadas em fornecer às Forças Armadas podem acessar um formulário disponibilizado no portal da Fiesc: www.fiesc.com.br.

* * *

IPVA para final 3 deve ser pago hoje Proprietários de veículos com placa de final 3, que não optaram pelo parcelamento do IPVA 2016, tem até hoje para quitar a obrigação em cota única, sem multa. O prazo para parcelamento do imposto terminou no dia 10 de março. Quem tiver veículo com placa final quatro deve programar o pagamento do IPVA, cujos prazos começam a vencer no dia 10 de abril.

* * *

Microempreendedor pode trabalhar de casa Mais de 200 mil microempreendedores individuais de Santa Catarina e cerca de sete milhões no Brasil ganham um empurrão no sonho do negócio próprio. Eles poderão utilizar a residência como sede de seu estabelecimento comercial, quando a atividade não exigir local específico para funcionamento. É o que está previsto no Projeto de Lei da Câmara (PLC) 167/2015 Complementar, de autoria do deputado federal Mauro Mariani (PMDB), aprovado esta semana no Senado. A matéria agora segue para sanção presidencial.

* * *

Juro Zero em SC Desde que foi implantado em Santa Catarina, em novembro de 2011, o programa Juro Zero destinou R$ 140 milhões para 50 mil beneficiários que se enquadram como microemprendedores individuais. O dado foi repassado pelo secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Carlos Chiodini, em plenária da CDL ontem, em Jaraguá do Sul.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO

×