Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
As importações catarinenses acumulam queda de 40,5% nos três primeiros meses do ano, na comparação com o mesmo período de 2015, ficando em US$ 2,329 bilhões. As exportações também registraram queda, de 9,9%, para US$ 1,589 bilhão. Assim, o saldo negativo da balança comercial se reduziu para US$ 740 milhões, enquanto em igual período do ano passado foi de US$ 2,150 bilhões. Os dados foram compilados e divulgados ontem pela Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina). Marcada pela participação de insumos de produção, a pauta de importações de Santa Catarina teve, entre seus cinco principais produtos, reduções mais expressivas nas compras de polímeros de etileno (-51,3%), filamentos sintéticos (-48,7%) e cobre afinado e ligas de cobre (-20,8%). Já o desempenho dos cinco principais produtos exportados pelo Estado foi prejudicado principalmente pelos blocos de motores a diesel (-17,6%), tabaco (-15,8%) e frango (-12,1%). Também na comparação entre os primeiros trimestres de 2015 e 2016, as exportações brasileiras recuaram 5,2%, enquanto as importações caíram 33,4%.

* * *

7,5% Mais de um terço da população brasileira está com dívidas em atraso, segundo levantamento feito em conjunto pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. Em março, 700 mil pessoas entraram para a lista de inadimplentes, elevando o saldo de negativados para 58,7 milhões. Esse número é 1,2% maior do que no mês passado e 7,5% acima do registrado em março de 2015.

* * *

7,14% Para este ano, as instituições financeiras reduziram a projeção para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), de 7,28% para 7,14%, pela quinta vez seguida. Para 2017, estimativa caiu de 6% para 5,95%, voltando a ficar abaixo do teto da meta. O limite superior da meta é 6,5%, este ano, e 6% em 2017. As estimativas fazem parte do boletim Focus, publicação divulgada semanalmente às segundas-feiras pelo Banco Central (BC).

* * *

victor danichInovativa Brasil 2016.1 seleciona 300 startups O programa de aceleração de startups, InovAtiva Brasil, apresentou na semana passada, 300 startups selecionas para o 1º ciclo de aceleração de 2016, registrando assim, mais que o dobro de selecionados na sua edição passada. Criado em 2013, este é o maior e mais abrangente programa de capacitação, mentoria e conexão para novas empresas de base tecnológica do país. Com quase o dobro de inscrições de 2015, o programa recebeu 1.372 projetos e conseguiu preencher todas as 300 vagas disponíveis no programa, um aumento de 136% quando comparado ao Ciclo anterior. Os startups habilitados receberão durante 5 meses capacitação, mentorias individuais e coletivas com executivos experientes e conexão com possíveis parceiros e investidores. Segundo a Secretaria de Inovação e Novos Negócios do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o programa permite que startups das mais remotas regiões do país tenham acesso a conteúdo de treinamento específico para a realidade delas, além de terem acesso a mais de 450 executivos do Brasil e do mundo para ajudá-las na estruturação do negócio. Quando estiverem prontas serão conectadas a potenciais clientes e investidores. O aumento e a diversificação de candidatos consolidaram o InovAtiva como um programa de abrangência nacional com atuação nos mais variados setores. Neste ano foram selecionados 21 estados, em mais de 20 setores diferentes da economia, que fazem com que o InovAtiva Brasil atenda centenas de startups, de qualquer lugar do Brasil, gratuitamente, com qualidade de nível mundial. Com o aumento de inscritos, novos setores da economia estão presentes no Programa como: aeronáutica e espacial, papel e celulose, mineração e metalurgia, óleo e gás e outros. Todavia, o setor de Tecnologia da Informação (35%) continua sendo o mais presente, seguido do de Saúde (14%) e Serviços (11%). Em Jaraguá do Sul foram contempladas duas empresas, Super Achado Comercial e Zamith Tecnologia da Informação e Comunicação, esta última desempenhando suas atividades no Núcleo de Inovação e Pesquisas Tecnológicas – JaraguaTec. O resultado final das empresas selecionadas confirma o fato de que o Brasil possui startups diversificadas e com alto potencial de crescimento e inovação em todas as suas regiões, mas que, até então, careciam de oportunidades de suporte para o seu desenvolvimento.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO