O Conselho Municipal de Cultura (ConCultura) de Jaraguá do Sul já conta com novos integrantes, porém ainda há duas áreas sem representantes. No dia 20, foram realizados os Fóruns Setoriais da Sociedade Civil para eleição des conselheiros para representar os setores de artes visuais e artesanato, audiovisual, literatura, livro e leitura, circo e teatro, dança, música, patrimônio histórico (museus, centros de memória), clubes e sociedades de tiro de Jaraguá do Sul, associações e sociedades étnicas e culturais, entidades de formação e promoção cultural. Porém, conforme o atual presidente do ConCultura, Egon Jagnow, as áreas de dança e patrimônio histórico não tiveram representantes. “Nessas áreas, teremos que fazer um novo fórum para a nova eleição, mas isso só será feito depois da posse dos novos conselheiros, em novembro”, explica. Conforme Jagnow, é de extrema importância a participação da sociedade e dos representantes da classe artística no ConCultura.

“Ao invés de esvaziarmos, omitir ou nos retirarmos, é necessário participar e mostrar a necessidade dos investimentos em Cultura.”

Egon Jagnow, atual presidente do Conselho

“O conselho é aquele que deveria pensar a cultura a partir da comunidade. Esse é o papel dele. As políticas culturais, as metas da cultura como um todo, em todos os segmentos, têm que ser vistas, analisadas e propostas para um plano municipal, renovação e modificação, tudo visto pelo conselho. Infelizmente, em grande parte uma das funções mais destacadas nos últimos tempos foi a ação em relação aos editais, ao fundo, mas ele é apenas uma parte do todo”, defende. O presidente, que deve deixar o cargo na posse dos próximos conselheiros, acredita que a função do Conselho de Cultura não se esvaziou após a extinção do fundo. Para ele, ao contrário, se tornou ainda mais necessário. “Se o fundo foi uma coisa importante, então a classe tem que lutar para que ele retorne ao lado de todas as outras políticas culturais e questões relacionadas à cultura que o conselho deve tratar. É importante enfatizar que a necessidade da participação. Ao invés de esvaziarmos, omitir ou se retirar, é necessário participar e mostrar a necessidade dos investimentos em cultura”, afirma. Para Egon, as ações do poder público devem visar aquilo que a sociedade quer e o Conselho de Cultura tem justamente o papel de mostrar as prioridades do setor. Arte e solidariedade Artistas da cidade mostraram que a arte pode sim remeter aos cuidados com a vida. No último sábado, os integrantes da Ajap (Associação Jaraguaense de Artistas Plásticos) se reuniram na praça Ângelo Piazera para a ação “Rosa é o Tom”. Durante o tempo que estiveram lá, os artistas pintaram quadros com a temática do Outubro Rosa. Agora, as obras estão expostas no Jaraguá do Sul Park Shopping. A renda arrecadada com a venda das obras será revertida a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Jaraguá do Sul. Psicodália 2018: Tutti Frutti confirmada  Um clássico do rock brasileiro, a Tutti Frutti é mais uma das atrações confirmadas no Psicodália, que ocorre de 9 a 14 de fevereiro de 2018, na Fazenda Evaristo, em Rio Negrinho, no Planalto Norte catarinense. Comandada por Luiz Carlini, a banda leva para o festival multicultural o show “Fruto Proibido”, homenagem ao álbum lançado há 42 anos junto com Rita Lee. Além das canções deste que foi o segundo disco da Rita Lee & Tutti Frutti, o repertório do show terá outros sucessos do grupo e algumas homenagens. A programação do Psicodália e informações sobre passaportes podem ser conferidas no www.psicodalia.com.br​.