Numa lanchonete qualquer... - Olá, boa tarde. - Boa tarde, nosso amigo. O que vai ser? Ele observa a estufa de vidro abarrotada de bolinhos de carne, pastéis, coxinhas e outras frituras gostosas que eu nem consigo descrever... - Eu vou querer uma coxinha e um refrigerante. - Tudo bem, pode sentar que eu já levo. - Sem problemas, vou sentar aqui no balcão mesmo. - Aqui está seu refrigerante. Já trago a coxinha, só trinta segundinhos, já fica quentinha. - Como assim? Você vai aquecer no micro-ondas? - Só dar uma aquecida, é rapidinho. - Não, não, amigo. Quero o salgado assim mesmo. Não gosto desse calor artificial e borrachento de microondas: “Borracha por fora, fervendo por dentro.” - Vai comer frio mesmo? - Como assim? Frio? Estava na estufa! Tem que estar quente! - Não... A gente aquece na hora, fica melhor. A estufa é só pra demonstrar. - Amigo, não pode ser assim, você não entende! Está errado! - Quem disse? - O doutor Drauzio Varella, no Fantástico! - Quando? Eu não me lembro disso. - Já faz um tempinho, mas ele disse. A estufa de salgado deve ser mantida numa temperatura acima de 60 graus centígrados. - Mas aí gasta muita energia! - Amigo, é uma questão de higiene. Saúde pública! Pois, entre cinco e 60 graus é a chamada zona de perigo, o ambiente mais propício para multiplicação de micróbios! É errado manter o salgado assim. Além de ruim, ainda é um perigo para a saúde. - Você é um chato, isso sim. - Além de estar errado, o senhor ainda me chama de chato? Faça o favor, hein! - Olha só, nosso amigo, eu não vi nada disso no Fantástico, mas você está parecendo o Lineu, da Grande Família, isso sim! - Pode cancelar o meu pedido. Eu não quero comer isso! - Vai ficar só no refrigerante? - É o jeito! Não tem nada descente pra comer! - Bem, se quiser, frito um pastelzinho na hora. - Fresquinho? - Fresquinho! - Beleza! Desde que não seja um pastel de vento... - Você é chato mesmo, senhor! Pastel de quê? - Dois pastéis de carne, por favor...