O que tem a ver o projeto de desenvolvimento do Sul de SC, o plano turístico da Serra Catarinense que tem entre seus destaques o complexo projeto capitaneado pelo empresário Vicente Donini, do Grupo Marisol, e a Serra Gaúcha? “Tudo a ver”, respondeu à coluna o presidente da Embratur, o catarinense Vinicius Lummertz, um dos integrantes da mesa (foto) reunida pela Associação dos Município da Região de Laguna (Amurel) para o evento Projeto de Desenvolvimento Integrado de Turismo Sustentável da Região Sul. No encontro de ideias proposto pelo deputado federal Edinho Bez estavam, entre outros, o presidente da Santur, Valdir Walendowsky, o prefeito da cidade, Joares Ponticelli, o coordenador geral do planejamento territorial turístico da Secretaria de Infraestrutura do Ministério do Turismo, Eduardo Madeira. Não bastasse a proposta de integração do Sul catarinense às serras catarinense e gaúcha, o presidente da Embratur foi ainda mais longe: lançou o desafio da internacionalização do projeto turístico regional. Ela avaliou em detalhes as condições da região para avançar nesse sentido, a partir de condições excepcionais como o aeroporto de Jaguaruna, na região de Criciúma, o porto de Imbituba, a BR-101 Sul duplicada e “as grandes possibilidades espaços não só no litoral, mas também nas áreas de águas termais, serras, estâncias de produção de vinhos e alimentos nas serras”. Lummertz lembrou ainda que, para a dar uma bússola aos prefeitos, vereadores e secretários de Turismo de dezenas de municípios representados na reunião, “o programa básico está pronto: é o Plano Estratégico de Desenvolvimento do Turismo na Região das Serras Gaúcha e Catarinense”, produzido pelo Ministério do Turismo (MTur). “A ideia de um amplo planejamento integrado não impede – pelo contrário, incentiva – que sejam construídos planos setoriais e que sejam desenvolvidas as ações que atualmente estão sendo feitas pelos municípios”, explicou o presidente da Embratur.

Ações trouxeram 10 bi para SC

Vinicius Lummertz lembrou que todo o investimento que tem sido feito pelo Ministério do Turismo e pela Embratur para fomentar o turismo interno e internacional resultou em Santa Catarina numa movimentação econômica de R$ 10,1 bilhões nos meses de dezembro de 2017 e janeiro e fevereiro deste ano, “número este que pode crescer para R$ 12 milhões quando incluirmos os resultados de março”. Com isso, foram gerados R$ 700 milhões em impostos, “que vão se reverter em escolas, postos de saúde, asfalto e outras necessidades básicas de nossas cidades, que hoje enfrentam sérios problemas de caixa para fazer investimentos”. O presidente da Embratur propôs ainda que “a região adote um calendário de janeiro a janeiro, a exemplo do que fez o Rio de Janeiro, para evitar a sazonalidade que em SC acaba concentrando a vinda de turistas no Verão”. Porém, ele acredita que só com a internacionalização será possível realizar esses projetos: “Temos baixa capacidade de poupança, portanto temos baixa capacidade de investimento. Assim, precisamos nos abrir para os investimentos que vêm de fora, que são a única maneira de alavancar o desenvolvimento econômico e turístico nesta região”.

Agora é torcer

Falando em turismo, o setor está vivendo um divisor de águas. Na semana passada, a Câmara dos Deputados aprovou o pedido de regime de urgência ao PL 2724/2015, que transforma a Embratur em serviço social autônomo. Como exemplo, a Embratur passaria a ter os mesmos moldes da Apex e Sebrae. O projeto também permite a ampliação da participação de capital estrangeiro nas companhias aéreas e moderniza a Lei Geral de Turismo. A matéria interessa diretamente a SC, um dos polos turísticos nacionais, que assim poderá atrair ainda mais visitantes estrangeiros do que recebe atualmente. Os projetos integram o “Brasil + Turismo”, um pacote de medidas para fortalecer o setor no país. Agora é torcer para que a matéria seja aprovada pelo plenário, em votação que deve acontecer nos próximos dias.

Rôgga Lança

O Porto Belo Easy Club é o novo residencial da construtora Rôgga em Joinville. Localizado na região central, no bairro Bucarein, o empreendimento terá quatro torres e mais de dez opções de áreas de lazer. “O empreendimento está perto de tudo que compõe a melhor comodidade aos futuros moradores, os melhores hiper/supermercados, academia, shoppings, panificadora, indústrias, colégios e universidades”, frisa a diretora comercial, Aline Ev. A construtora é hoje a maior do Norte do estado. Em Joinville, já foram entregues 16 empreendimentos Rôgga. O Porto Belo é o terceiro da linha Easy Club na cidade, com previsão de lançamento da primeira fase de vendas, com 200 unidades, em abril.

Entrelinhas

A Entrelinhas, agência de assessoria de impresa focada na geração de mídia espontânea e jornalismo corporativo no Norte e em outras regiões de SC, acaba de completar seis anos de atuação. A empresa jaraguaense se consolidou neste período como uma referência regional no segmento e conquistou importantes clientes, entre eles Jaraguá do Sul Park Shopping, Unimed, Hospital e Maternidade Jaraguá, Femusc (Festival de Música de Santa Catarina), Spin e CDL Jaraguá. A agência atua, ainda, na geração de conteúdo para mídias sociais e assina publicações corporativas, como a revista Silicon, do grupo Consistem.

Reserva Itapoá

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) oficializou a criação da Reserva Natural de Preservação da Natureza Padre Piet Van der Aart, no município de Itapoá, litoral Norte de SC. A nova reserva (foto) é resultado do projeto de compensação ambiental do Porto Itapoá, que, ao suprimir 28 hectares para a ampliação do terminal portuário, compensou em dez vezes a área suprimida em forma de Reserva Natural. A reserva nasce, assim, com 285 hectares e, somada à RPPN Volta Velha já existente, totalizará 875 hectares, ou 8,75 milhões de metros quadrados. Volta Velha, a primeira área particular preservada do município, foi criada em 1992, com 590 hectares. A RPPN é uma unidade de conservação de domínio privado, gravada com perpetuidade na matrícula do imóvel, com o objetivo de conservar a diversidade biológica.

Para pesquisa

A partir de agora, a RPPN Volta Velha/Padre Piet Van Der Aart passa a ser uma das maiores reservas naturais particulares do estado e do país. O local será usado para o desenvolvimento de pesquisas científicas e para visitações de cunho ambiental, constituindo um importante ativo ambiental de Itapoá. A parceria realizada entre o Porto e a Associação de Defesa e Educação Ambiental (Adea), juntamente com os proprietários da reserva, criou um modelo de extrema relevância para a proposta de compensações ambientais. O projeto foi iniciado em 2015, quando o Porto Itapoá precisava encontrar uma área para compensar os 28 hectares de vegetação que seriam suprimidos em função da expansão do Terminal. Em negociações com o Ibama e atendendo às resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), a empresa propôs uma compensação dez vezes maior do que a área de supressão.

Supercompensação

O modelo de “supercompensação” é uma proposta que visa mitigar da melhor forma possível os impactos gerados por supressão vegetal. Além disso, a decisão de concentrar a área preservada dentro do município de Itapoá, adicionando área e infraestrutura a outra Reserva Natural já existente e ainda contígua a um Parque Municipal – Parque Municipal dos Carijós, traz um valor ainda maior para o projeto, tanto no aspecto ambiental como também nos aspectos social e econômico, pois cria um verdadeiro atrativo para a comunidade e para o público em geral.