Estudo realizado pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo, com base na Pesquisa Anual do Comércio (PAC), mostra que  das 1.647 mil empresas do comércio no país, 96,3% são de pequeno e médio porte, e responsáveis por 53,5% dos empregos e 27,1% da receita do segmento. As micro e pequenas empresas exercem um papel fundamental na economia brasileira e o foco do setor público deve ser o de proporcionar condições para viabilizar seu crescimento e, consequentemente, que se tornem empresas de maior porte ao longo do tempo – ao contrário do que ocorre hoje, quando mais de 50% das micro e pequenas empresas encerram suas atividades com até cinco anos de vida. A Federação analisou os principais números do comércio varejista e atacadista brasileiro, divididos entre grandes empresas (20 ou mais empregados) e micro e pequenas empresas (19 ou menos empregados). Do total de empresas atuantes no comércio varejista, praticamente 97% são micro e pequenas empresas. No atacado essa proporção é de 93%.  Em valores nominais, a receita média das empresas do varejo de pequeno porte é de R$ 408 mil por ano, enquanto as grandes empresas faturam mais de R$ 23 milhões por ano. E, no caso das empresas de atacado, a receita média das micro e pequenas é de R$ 1,3 milhão por ano e das maiores de R$ 79,5 milhões ao ano. Os salários pagos nas micro e pequenas empresas do comércio são 28,8% menores em relação às grandes companhias – cerca de R$ 1.033 contra R$ 1.932 e uma média de R$1.451. linha azul Venda de automotores A venda de veículos automotores – que inclui automóveis comerciais leves, caminhões, ônibus, motocicletas, implementos rodoviários e outros – teve queda de 12,92% em setembro na comparação com agosto e queda de 22,58% na comparação com o mesmo mês do ano passado. A informação é da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), que representa mais de sete mil concessionárias no país. Em setembro, segundo a Fenabrave, foram emplacados 240.326 veículos automotores. Entre janeiro e setembro deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, o recuo foi de 20,84%, com o emplacamento de 2.380.807 unidades. Até o fim deste ano, a Fenabrave acredita que o emplacamento de veículos automotores, que considera todos os segmentos, apresente queda de 19,33%. linha azul Metas para a inflação Instituições financeiras consultadas pelo Banco Central (BC) reduziram a projeção de inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), para este ano, de 7,23% para 7,04%. Essa foi a quarta queda seguida na pesquisa Focus feita pelo BC. Para 2017, a projeção passou de 5,07% para 5,06%. As projeções estão acima da meta de inflação de 4,5% neste ano e em 2017. A estimativa para este ano ultrapassa também o teto da meta que tem que ser perseguido pelo Banco Central: 6,5%. Para o próximo ano, o teto da meta é 6%. linha azul Vendas pelo atacado O faturamento do setor atacadista aumentou 8,37% no acumulado de janeiro a agosto deste ano, mas o resultado real, descontando-se a inflação, indica queda de 0,97%, diz  balanço divulgado pela Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores de Produtos Industrializados sobre a pesquisa que é feita em conjunto com a Fundação Instituto de Administração. Pelas projeções da Abad/FIA, o setor deve encerrar o ano com faturamento 1% acima do registrado em 2015, tomando por base a desaceleração inflacionária. Em nota, o presidente da Abad, José do Egito Frota Lopes Filho, afirma que a proximidade das festas de fim de ano e o arrefecimento da inflação vão contribuir para que o faturamento real do setor volte a ser positivo em 2016, “ainda que seja pequeno”. linha azul Lançamento da Paviloche Através de uma parceria entre a Paviloche e a Água da Serra, a famosa Laranjinha terá também a versão picolé. “Depois do sucesso do co-branding com a Chocoleite, pensamos em procurar outras empresas com marcas na região e que combinem com sorvetes e picolés. Lembramos da Água da Serra, especialmente por terem a famosa Laranjinha. O contato começou na Exposuper de 2015, quando visitamos o estande da empresa para levar a ideia. Depois marcamos visitas e reuniões, testes do picolé, até que chegamos ao delicioso resultado final”, comemora o diretor Comercial da Paviloche, Diógenes Pavinato. O produto, que terá edição limitada, deve começar a chegar aos pontos de venda de Santa Catarina e do Paraná a partir da última semana de outubro. linha azul Dinheiro para a casa própria Até o fim do ano a Caixa Econômica Federal pretende finaciar mais R$ 34 bilhões para projetos da  casa própria. Incluindo operações feitas com recursos da poupança como do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), também para as faixas de maior renda do programa Minha Casa, Minha Vida, e as linhas de prócotista. No total, o banco quer aplicar R$ 93 bilhões em habitação neste ano. Em 2015, ao contrário, o volume recorde de saques da poupança forçou a Caixa a adotar medidas de restrição à concessão de financiamentos habitacionais.