Uma das instituições mais representativas de SC, a Facisc (Federação das Associações Empresariais de SC) se manifestou com veemência por mais um corte nos recursos destinados às obras em rodovias federais no Estado. O veto de mais de R$ 43 milhões feito pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). Confira o texto da Facisc:

“Santa Catarina mais uma vez é prejudicada pelo Governo Federal em relação ao orçamento para verbas destinadas à infraestrutura. Nesta segunda-feira (24), o Estado perdeu R$ 43,2 milhões para obras de rodovias. O corte no Orçamento de 2022 foi feito pelo presidente Jair Bolsonaro, que cortou verbas já aprovadas pelo Congresso. O valor destinado às obras de Santa Catarina representa 24% do valor reduzido no Ministério da Infraestrutura. Foram R$ 177 milhões para todos os estados. O presidente da entidade, Sérgio Rodrigues Alves, disse que as 149 associações empresariais e as mais de 35 mil empresas associadas recebem com muita indignação e preocupação o corte de 43 milhões para obras estruturantes em SC. “Novamente somos prejudicados na composição orçamentária federal. Esperamos uma reação mais contundente dos nossos representantes políticos e que alguma medida compensatória seja feita. Não podemos continuar sendo desprestigiados no contexto federal , principalmente diante de tanta contribuição que representa nosso estado no contexto público e privado”, declarou. No documento lançado nas eleições de 2018, “O que SC precisa?”, conta com mais de 700 demandas da classe produtiva que compõem o Programa Voz Única, que já caminha para a quarta edição. Das pautas elencadas, 47,15% destacaram a importância de investimentos na área de infraestrutura. “Receber a notícia do corte, que vai contra as necessidades básicas apresentadas neste trabalho para o desenvolvimento econômico do estado, é decepcionante. Nossos representantes políticos têm a obrigação de se insurgir e tentar reverter este quadro com medidas compensatórias para nosso estado”, completa Alves.

 

 

A grande quantidade de vias públicas e logradouros sem identificação e de imóveis sem numeração prejudica o serviço postal | Foto Divulgação

Chapecó

O município de Chapecó e a 5ª Promotoria de Justiça (5ª PJ) firmaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) em que se compromete a regularizar a identificação de ruas e logradouros públicos, bem como a numeração dos imóveis em todo o território municipal, entre junho deste ano e 31 de dezembro de 2024. O TAC foi assinado pelo prefeito João Rodrigues e pelo Promotor de Justiça Fabiano David Baldissarelli. A grande quantidade de vias públicas e logradouros sem identificação e de imóveis sem numeração prejudica o serviço postal e a localização de endereços. O problema foi constatado por moradores, por empresas de entregas e de serviço postal e por Oficiais de Justiça

Crescimento (1)

A economia de Santa Catarina voltou a crescer em novembro de 2021, após três recuos consecutivos. O IBC (Índice de Atividade Econômica) do Banco Central, que é considerado uma prévia do PIB (Produto Interno Bruto), teve avanço de 1,7% em relação a outubro na série livre dos efeitos sazonais. De acordo com análise do Observatório Fiesc, foi o maior resultado entre os estados brasileiros. No país, o crescimento foi de 0,7% no mesmo período. No acumulado de 2021, o estado registrou expansão de 6,3%, superior à média nacional de 4,6%.

 

Crescimento (2)

A taxa de crescimento da atividade econômica em Santa Catarina em 2021 (janeiro-novembro) foi a terceira maior do país, atrás apenas do Espírito Santo e Rio Grande do Sul. “O resultado reforça nossa perspectiva de retomada do crescimento e a importância da indústria para o desenvolvimento do estado. Em novembro, tivemos uma contribuição expressiva da Indústria Geral para o crescimento da atividade econômica catarinense”, afirma o presidente da Fiesc (Federação das Indústrias de SC), Mario Cezar de Aguiar.

 

Crescimento (3)

Conforme dados do IBGE, em novembro, a Indústria Geral registrou o maior crescimento entre os setores da economia em SC, com expansão de 5,0%, após dois meses consecutivos de recuos. De acordo com o economista do Observatório Fiesc, Thiago Rodrigues, entre as atividades industriais, os melhores resultados do período foram nos setores de Máquinas e Equipamentos e Vestuário e Acessórios, com taxas de 19,7% e 15,3%, respectivamente. O setor de Serviços apresentou expansão de 3,7% em novembro na comparação com outubro.

Biometria nas eleições

Mais uma afirmação falsa envolvendo o processo eleitoral vem ganhando força nas redes sociais. Desta vez, diz respeito ao cadastramento biométrico, procedimento de coleta das digitais. O texto fake afirma que quem não tiver feito a biometria não poderá votar nas eleições. O TRE-SC informa que a mensagem não é verdadeira. O TSE também esclarece que ninguém que não realizou o cadastramento será proibido de votar.