Em tempos difíceis: solidariedade, coragem para lutar e fé

FOTO: Facebook

Por: Antídio Aleixo Lunelli

13/10/2023 - 15:10 - Atualizada em: 13/10/2023 - 16:25

 

 

Antídio Aleixo Lunelli

Deputado estadual

Seguimos em alerta em Santa Catarina. Metade dos municípios do Estado registraram emergências em função das fortes chuvas. Na Alesc, aprovamos recursos emergenciais às Prefeituras e seguimos falando da necessidade de políticas de prevenção mais eficientes, que possam minimizar os danos que afetam milhares de catarinenses e, sobretudo, preservar vidas.

As cenas que acompanhei me deixaram imensamente preocupado. Cidades completamente alagadas, pessoas desesperadas, negócios contabilizando inúmeros prejuízos. Será necessário um trabalho de união, solidariedade e resiliência para que possamos superar. Será necessário, depois, planejamento, boa vontade e decisão para mudar e fazer com que nossos municípios estejam mais seguros, porque as intempéries, cedo ou tarde, infelizmente, acontecem.

E de longe, acompanhamos também com tristeza e indignação o que aconteceu em Israel.

Novamente, fomos surpreendidos pela crueldade sem tamanho do grupo terrorista Hamas. Uma total desumanidade, onde os inocentes estão pagando, inclusive, brasileiros.

Não tem como não se sensibilizar com tudo o que aconteceu e ainda vai acontecer. Mas, ficamos ainda mais perplexos ao ver a demora do governo brasileiro em classificar o Hamas como grupo terrorista que de fato é.

A verdade é que o Brasil vive uma treva diplomática. Integrantes do governo do presidente Lula ignoram qualquer consideração de natureza ética, de valores, e de humanidade para se aliar ao que existe de pior no cenário internacional.

Como pode um governo que foi eleito pregando amor achar aceitável um ataque com sequestro e morte de crianças, mulheres e idosos, tortura de reféns e chacina de civis. Essa suposta “isenção” significa, na verdade, ser cumplice do crime.

Lula também está a favor do Irã, e quer que a Ucrânia entregue à Rússia uma parte do seu território. Ainda recebe com honras o ditador da Venezuela e diz que a culpa da miséria em Cuba, é do “bloqueio” dos Estados Unidos.

Esse mesmo grupo cobra prisão de 15, 20 anos, para quem protestou no dia 8 de janeiro em Brasília. Querem classificar o ato, que não tirou a vida de ninguém, como terrorismo.

Temos que repudiar esse comportamento que coloca o Brasil, cada vez mais, como inimigo da liberdade, como inimigo da vida.

Nós brasileiros somos contra a violência, somos contra o terrorismo. Nós somos solidários ao povo judeu e também solidários ao povo árabe que é colocado em risco pelo terrorismo do Hamas. Temos amor à nossa pátria, solidariedade no coração, coragem para lutar e fé! Aliás, em tempos difíceis como esse, nada melhor do que a fé!