fachada hospital são josé - lucio sassi (1)

Hospital São José foi a instituição da cidade que mais recebeu recursos do Estado em quatro anos

Desde 2012, instituições sem fins lucrativos de Jaraguá do Sul receberam R$ 40,8 milhões de transferências do governo do Estado para executar projetos de interesse da comunidade, como assistência financeira a estudantes e obras nos hospitais da cidade. A Secretaria de Estado da Fazenda atualizou os convênios firmados com grupos, associações e prefeituras depois de auditores internos inspecionarem na última semana 33 instituições que receberam dinheiro do Estado entre 2013 e 2015. Nesse período, a maior parte dos recursos para Jaraguá do Sul se deu em 2014, principalmente para ampliação dos hospitais Jaraguá e São José, construção do Centro de Inovação e pavimentação de ruas. A quantidade repassada naquele ano totalizou quase R$ 27 milhões. A Sociedade Divina Providência, que administrava o Hospital São José, foi a instituição que mais recebeu recursos do Estado nos últimos quatro anos. A ampliação da unidade para aumentar a capacidade de atendimento teve R$ 10 milhões do Fundo Estadual de Saúde. Em 2016, o Estado já assinou convênios no valor de R$ 1,9 milhão, destinado para obras de saneamento público, ajuda financeira para estudantes universitários com bolsas de estudo e realização do Festival de Música de Santa Catarina (Femusc), entre outras iniciativas. A operação da Secretaria da Fazenda divulgará um relatório sobre o cumprimento das ações patrocinadas. “Precisamos estar vigilantes na execução dos convênios, inibindo situações irregulares ou ilegais que prejudicam a sociedade e a imagem institucional do Estado. Esse é o objetivo do projeto Auditoria Cidadã, saber se os recursos investidos estão refletindo em qualidade de vida para a sociedade”, afirma o secretário Antonio Gavazzoni. O governo não informou quando o relatório será divulgado. linha azul WEG entre as 10 mais inovadoras A WEG foi uma das empresas ganhadoras do prêmio “Inovação Brasil” concedido pelo Valor Econômico às empresas mais inovadoras do país. Das 100 empresas listadas no ranking, realizado em parceria com a consultoria Strategy&, do grupo PwC, a WEG ficou com a segunda posição no segmento de bens de capital e com o sétimo lugar entre as 10 líderes gerais do ranking. linha azul Devedores Jaraguá do Sul tem 159 empresas e pessoas físicas que devem mais do que R$ 1 milhão à Fazenda Nacional e ao FGTS e que estão inscritos em dívida ativa. Lista da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional mostra que grande parte dos devedores são companhias que não existem mais. Empresas do grupo Wiest são as maiores devedoras, somando mais de R$ 200 milhões em débitos. linha azul 5,3% É a nova projeção do mercado para a inflação no ano que vem. Na semana passada, a expectativa estava em 5,4%. linha azul

Confiança melhora

2006_09_05 - Coletiva na WEG e visita a nova fábrica - prf 072 (41) A confiança dos industriais catarinenses na economia sinaliza melhora. O índice de julho alcançou 46,9 pontos e foi o melhor resultado desde abril de 2014, mostra a pesquisa da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc). Apesar do resultado, o indicador continua abaixo dos 50 pontos e longe da média histórica de 53,3 pontos. Os valores variam de zero a cem. Quando estão abaixo de 50 revelam falta de confiança dos empresários. linha azul FMI projeta melhora O Fundo Monetário Internacional (FMI) melhorou as previsões para a economia brasileira e agora espera a volta do crescimento em 2017. A projeção é que o Produto Interno Bruto (PIB) do país tenha contração de 3,3% em 2016 e expansão de 0,5% no ano que vem. linha azul Sebrae lança edital de apoio Com o objetivo de apoiar projetos de inovação tecnológica de micro e pequenas empresas, o Sebrae/SC lançou o Edital Sebrae de Inovação. Os projetos podem ser submetidos até o dia 23 de setembro e devem ser executados por Instituições de Ciência Tecnologia e Inovação (ICTIs) no prazo de até 24 meses. O edital pode ser acessado no site www.sebrae.com.br/editaldeinovacao. linha azul

Suspenso bloqueio do WhatsApp

TechOne3_WhatsApp1-800x500_c O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu na tarde de ontem o bloqueio judicial do serviço de mensagens WhatsApp, que tinha sido determinado horas antes para todo o Brasil, disse à AFP um assessor do tribunal. “A decisão foi tomada pelo presidente do STF, Ricardo Lewandowski, que aceitou uma medida cautelar apresentada pelo PPS” (Partido Popular Socialista) para pôr fim ao bloqueio, que durou quase quatro horas, afirmou o assessor. A juíza Daniela Barbosa, da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, tinha ordenado na manhã de terça-feira (19) a suspensão do WhatsApp em todo o país pela quarta vez desde fevereiro de 2015, depois da empresa que pertence ao Facebook ter se negado a facilitar informações para uma investigação policial. Em uma decisão de 19 páginas, à qual a AFP teve acesso, Barbosa ordenou à Embratel, à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), e a todas as operadoras de telefonia móvel do país a “suspender imediatamente o aplicativo WhatsApp”, sob pena de “multa de R$ 50.000 por dia”. O serviço caiu por volta das 14h, segundo os usuários. O WhatsApp alega que não armazena o conteúdo das conversas. Em abril, a empresa terminou de implementar seu sistema de criptografia de ponta a ponta, que codifica as mensagens durante o envio para proteger a privacidade dos usuários. O WhatsApp está instalado em mais de 90% dos smartphones do Brasil, onde se calcula que 100 milhões de habitantes usam o aplicativo gratuito, o que converte o país no segundo maior usuário do serviço, atrás da África do Sul.