Por 28 anos, o Muro de Berlim - o símbolo mais poderoso da Guerra Fria - dividia não só uma cidade, mas um mundo. A construção começou pouco depois da meia-noite de 13 de agosto de 1961, quando os soldados da Alemanha Oriental desenrolaram quilômetros de arame farpado que logo seria substituído por placas de concreto pré-fabricadas. O muro foi uma medida desesperada lançada pelo governo República Democrática Alemã (RDA) para interromper as fugas em massa para a outra Alemanha onde seus habitantes achavam que a vida era melhor. Desde sua fundação em 1949, cerca de 3,6 milhões de pessoas já tinham saído para o Ocidente, colocando o país à beira de um colapso econômico e político. Eufemisticamente chamado de “barreira de proteção antifascista”, o muro com 155 km de comprimento se tornou símbolo de opressão e transformou Berlim Ocidental em uma ilha de democracia dentro de um mar de socialismo. Continuamente reforçado e aperfeiçoado ao longo do tempo, ele se transformou num complexo sistema de segurança fronteiriço que incluía uma “faixa da morte” crivada de trincheiras, holofotes, estradas de patrulha, cães de ataque, cercas elétricas e torres formadas por guardas prontos para disparar. O primeiro candidato a ser fugitivo foi baleado apenas alguns dias depois de 13 de agosto, mas a extensão da crueldade do sistema tornou-se descaradamente claro em 17 de agosto de 1962, quando um jovem de 18 anos de idade foi baleado e deixado sangrar até a morte enquanto os guardas da Alemanha Oriental observavam. Há um memorial no local onde ele morreu. Da mesma forma, ao longo de onde era o muro existem memoriais das pessoas que tentaram atravessá-lo. Algumas obtiveram sucesso, atravessaram voando em balões ou em ultraleves construídos de forma caseira. O fim do Muro de Berlim veio tão inesperadamente como sua criação. Mais uma vez a República Democrática Alemã estava perdendo seu povo em massa, desta vez através da Hungria, que abriu as suas fronteiras com a Áustria. Alemães orientais tomaram as ruas às centenas de milhares, exigindo mais direitos humanos e o fim do Partido Socialista Unificado da Alemanha. Em 9 de novembro de 1989, o governo fez um anúncio surpresa na televisão estatal; todas as restrições de viagens para o Ocidente seriam suspensas. Imediatamente. Em meio a cenas de festas selvagens e quilômetros de extensão desfiles de Trabant, (o carro fabricado na Alemanha Oriental, - lembra o Lada sedan, porém menor), as duas Berlim se uniram novamente. O desmantelamento da barreira começou quase imediatamente. Apenas pouco mais de 1,5 km do Muro de Berlim ainda permanece como um símbolo do triunfo da liberdade sobre a opressão. Num trecho de 1,3 km de comprimento, murais pintados por artistas de todas as partes do mundo. Mesmo sem o muro, pela arquitetura das construções, é fácil perceber se você está no Oriente ou no Ocidente de Berlin. A ajuda para saber por onde passava o muro é uma dupla fileira de paralelepípedos que orienta as pessoas como um rumo.