Pouca gente sabe, mas na semana que passou comemorou-se o Dia Nacional da Leitura. Dia 12, junto com Nossa Senhora Aparecida e também com o Dia da Criança. Desde 2009, quando foi sancionada a lei que oficializa a data do projeto proposto pelo senador Cristovam Buarque, que afirmou que a iniciativa incentivaria a convivência da sociedade com a produção literária do Brasil, a data baila pelo calendário brasileiro. Mas como isso incentivaria? Não há como disputar com comemorações já tradicionais. Um feriado religioso em homenagem à padroeira do Brasil e um dos dias preferidos da criançada. Não dá mais para “só ter intenção”, não se pode mais criar uma iniciativa só para constar no currículo “eu que fiz”. Colocar uma data no calendário não muda nada, não precisamos mais de intenções, precisamos de ações. Criar um significado para uma data não é coisa fácil, tem que pegar o povo pelo coração, não tem outro jeito. Transformar um Dia do Livro em algo parecido com o Dia das Crianças é uma ação que demanda tempo, paciência e muita estratégia. Uma confluência de pensamentos e atitudes que precisam vir de várias instituições, em todos os níveis. Para entender um pouco a complexidade da coisa e ver como não é só criar uma proposta, vamos usar como exemplo o Dia das Crianças. Essa comemoração foi criada no ano de 1924 e passou a ser mais um dia esquecido no calendário. Foi só em 1960, com uma promoção criada pela Brinquedos Estrela em conjunto com a Johnson & Johnson, para dar um gás em suas vendas, que a data passou a ser comemorada de fato. Com o Dia Nacional da Leitura já possuímos cinco datas voltadas ao livro/leitura: Dia internacional do Livro Infanto-Juvenil (2 de abril), Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril), Dia Mundial do Livro (23 de abril), Dia Nacional da Leitura (12 de outubro) e Dia Nacional do Livro (29 de outubro). Nós precisamos unificar esse monte de data que só serve para escritor/leitor/editor fazer postagem de figurinha no Facebook. A gente precisa de um dia/semana que seja trabalhada intensivamente nas escolas, que seja uma festa, como é a semana das crianças, onde a molecada deixa o material e o uniforme em casa e vai para escola participar de uma festa feita só para elas. Mas, não dá pra usar o dia 12. O livro e a leitura não podem, não devem, competir com outras atividades. A leitura é uma atividade de suma importância, assim como brincar é uma atividade de grande estímulo para as crianças. Cada um no seu tempo. Tem hora para brincar, para ler, para ver televisão, para estudar. Não é a primeira coisa que aprendemos?