Santa Catarina ainda é o estado com a menor taxa no Brasil, 6%. Em compensação a Bahia, por exemplo, possui índice de 15,5% A taxa de desemprego do primeiro trimestre do ano - que ficou em 10,9%, o equivalente a 11,1 milhões de pessoas - subiu em todas as grandes regiões do país, na comparação com o mesmo período de 2015. Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Continua), divulgada no fim de abril, mas detalhada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Santa Catarina, no entanto, registrou a menor taxa de desemprego no primeiro trimestre no país, com 6%, seguido do Rio Grande do Sul (7,5%) e Rondônia (7,5%). As maiores taxas de foram observadas na Bahia (15,5%), Rio Grande do Norte (14,3%) e Amapá (14,3%). As regiões Sul e Sudeste concentram, percentualmente, os maiores índices de empregados do setor privado com carteira de trabalho assinada. Enquanto a média nacional fechou o primeiro trimestre do ano em 78,1%, nestas duas regiões o percentual no término do primeiro trimestre do ano era de 85,1%, na região Sul, a mais alta taxa de emprego com carteira assinada do país; e no Sudeste de 78,1%. Em ambos, os casos percentuais são superiores à média do país. Santa Catarina ficou com a maior taxa de ocupação de trabalhadores com carteira assinada: 89,1%; Rio de Janeiro (86,3%); São Paulo (85,5%), todos com resultados acima da média de 78,1%. Maranhão (52,5%), Piauí (53,3%) e Paraíba (57,3%) apresentaram os menores índices. Rendimento A Pnad Continua constatou, ainda, que no primeiro trimestre do ano o rendimento médio real habitual dos trabalhadores ficou acima da média do Brasil (R$ 1.966) nas regiões Sudeste (R$ 2.299), Centro-Oeste (R$ 2.200) e Sul (R$ 2.098). Enquanto Norte (R$ 1.481) e Nordeste (R$ 1.323) ficaram abaixo da média. Sexo e idade Os homens respondem por 57,4% da população ocupada do país, que fechou o primeiro trimestre do ano em 90,6 milhões de pessoas. Esta predominância foi uma constante em todas as regiões, sobretudo na Norte, onde os homens representavam 61,4% dos trabalhadores. O Sul e o Sudeste são as regiões com maior participação feminina na força de trabalho (ambas em 43,8%). A pesquisa ainda mostrou que a análise por grupos de idade aponta que 12,8% dos ocupados eram jovens de 18 a 24 anos, enquanto entre os adultos este percentual chegava a 78,1% entre os adultos de 25 a 39 anos e de 40 a 59 anos de idade. Já os idosos somavam 7,1% dos ocupados.

* * *

Apevi realiza curso de Televendas e Telemarketing

A Apevi realiza hoje e amanhã, o curso “Televendas e Telemarketing”, no Centro Empresarial de Jaraguá do Sul (Cejas). O objetivo é despertar a importância do setor nas empresas, e como o transformar num forte canal de vendas. A capacitação será promovida por Márcio Magalhães, especialista em gestão de vendas. O valor é de R$ 330 para nucleados Acijs-Apevi e R$ 363 para associados.

* * *

-4,6%

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) caiu 4,6% de abril para maio deste ano, segundo a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Essa foi a terceira queda consecutiva da ICF neste tipo de comparação.

* * *

fabiana koch

Medo do sucesso

Muitas vezes o ser humano não atinge o sucesso desejado pelo fato de não encarar os seus medos. As pessoas tendem a fazer de tudo para evitar sentir medo. Elas se mantêm atarefadas, trabalham demais ou mediocremente. E esse medo do medo as impede de seguir suas paixões, realizar o seu talento e fazer valer a sua voz. Inicialmente, para se superar o medo é preciso identifica-lo. Medo de quê? Medo de se relacionar com alguém? Medo de liderar? Medo de crescer? Medo de dinheiro? O medo está sempre relacionado à alguma história. Pode ser uma história vivida ou apenas contada. Daí vem a importância de se questionar se o medo é verdade, se é real, ou se é apenas “medo”. Investigar, pensar sobre o que de verdade é esse medo, é fundamental. Quanto mais se resiste, mais o medo persiste. Então, encarar é o primeiro passo. Depois, é interessante se permitir imaginar se não existisse o medo. O que poderia acontecer? Visualizar a situação desejada nos aproxima da realização. Tudo aquilo que focarmos acabará crescendo. Assim, focar no que queremos, e não no que receamos, nos favorece. Focar no que vale a pena, ao invés de dar atenção ao medo. Reflita se por acaso você já presenciou o medo de ter: Sucesso no trabalho? Existem culturas corporativas que são contra o sucesso. A visão de sucesso é pobre e facilmente se perde. O sucesso quase sempre está relacionado ao placar e não a como o jogo foi jogado. Ganhar a qualquer custo é a regra. E quem é responsável pela vitória pode talvez esperar um parabéns na convenção da empresa. Pesquisas indicam que apenas 3% dos colaboradores poderão alcançar o sucesso máximo nas empresas. Pro-atividade e talento demais podem representar ameaças para o chefe e aborrecer colegas de trabalho. Sucesso na família? Crianças são bombardeadas pelos seus pais com mensagens confusas sobre sucesso. Elas recebem elogios quando têm excelente desempenho na escola e quando vencem nos esportes. Elas aprendem que sucesso é uma coisa boa, porém, conversar sobre sucesso quase nunca acontece. As crianças são encorajadas a brilhar, mas não a chamar atenção. São encorajadas a pensar grande, mas não “dar um passo maior que a perna.” Sucesso nos relacionamentos? Relacionamentos amorosos podem ser ameaçados quando ambos são talentosos e brilham. Nem sempre as relações são fortes o suficiente para suportar isso. Em relacionamentos doentes, normalmente, um prefere não aparecer, apenas para manter o equilíbrio. Acreditam que se ambos obtiverem sucesso, isso pode causar ciúme, insegurança, competição e briga por poder. Assim, só um brilhando mantém a relação. Sucesso na sociedade? Desde criança o ser humano é apresentado a padrões do que é certo e errado, bonito ou feio, inteligente e estúpido na sociedade. E, desta forma, criam-se necessidades a serem atingidas inconscientemente, assim como frustrações. O que é desejado por todos não necessariamente precisa ser por você. Mas, e como atingir o seu sucesso se ele pode não ser aprovado pela sociedade? Desejo que pense sobre o que é sucesso pra você e fique bem.