E u me pergunto, como pode? Com o tanto que falamos sobre isso, com a lei “tão dura”, com tantos casos de pessoas presas, ainda tem gente que insiste em beber e dirigir! Eu gostaria tanto de não ter que escrever sobre isso, mas as circunstâncias me impossibilitam de ficar calado! Essa semana, novamente um trabalhador, pai de família, teve a vida interrompida por causa de um bêbado. Planos, sonhos, tudo interrompido por alguém que insistiu em beber e dirigir. Não fez por querer, claro que não. Posso crer que ninguém bebe pega o carro e pensa: vou matar alguém. Mas foi imprudente. Os motivos que o levaram a beber, eu sei, começaram horas antes, em um bar da cidade. Como sei? Ele estava sentado na mesa ao lado da minha, a diferença é que eu dirigiria e tomava água. Ele, cerveja. Segundo consta, ele estava mal, debilitado devido a situações pessoais, é algo triste, é algo que machuca, eu entendo. Beber ajuda? Tudo bem se para ele ajuda, encha a cara, mas em casa, ou volte de táxi. É inadmissível que inocentes morram por causa de inconsequência desse pessoal que não aprende. Até quando? Quantos ainda terão que morrer? “Ah, William, foi só uma cerveja, voltava para casa que fica a duas quadras da festa e o ciclista louco cruzou minha frente e acabou morrendo.” Ok, você não teria culpa se estivesse são, mas se não estava, a culpa é sua! Pensem nisso, mudem isso, parem com isso. Se eu tivesse o poder que gostaria de ter, alteraria algumas leis. Aumentaria a multa, intensificaria as abordagens e tiraria de uma vez a carteira desses caras. Não adianta um ano sem dirigir, é punição vitalícia, enquanto viver não dirige mais. Ainda mais se matou alguém. Muito tem que mudar, espero que seja em breve. Até quando? Por questões de segurança e estratégia, não vou revelar quando foi, nem quanto tempo faz, mas esse ano Jaraguá do Sul teve uma noite de caos. Caos, William? Sim! A noite foi movimentada, ocorrências graves e apenas três viaturas estavam disponíveis para patrulhar Jaraguá do Sul inteiro. Um policial chegou a relatar que em anos de polícia, foi a noite de maior aflição. Seis policiais para uma cidade do tamanho da nossa. Infelizmente é assim. Como, graças ao bom serviço da Polícia Militar e Polícia Civil, temos índices baixos de violência, o governo manda os policiais novos para outras cidades que estão “piores”, ou os deixa na capital. Mas isso vai ter que mudar. Vai chegar um momento que essa situação se tornará insustentável. Para você ter uma ideia, já tivemos épocas onde viaturas de Guaramirim tiveram que ir patrulhar Schroeder, pois a cidade estava sem policiais de serviço no dia. Situações como a ida de policiais para a Força Nacional, para a reserva remunerada e férias atrapalham, e muito. Então, que mandem os novatos. Insuportável Ninguem mais aguenta essa turma do “mimimi” que insiste em sempre se fazer de vítima. Para piorar, quando estão descontentes ligam ameaçando processar. Eles erram, eu público, e a consciência pesa. Prefira ser leitor e não a notícia. Para finalizar Essa semana li na internet uma frase em relação a atuação policial nas manifestações que estão ocorrendo pelo país. Ela dizia: Quem planta rabanete, colhe rabanete. Lindo! É isso, quem instaura o caos, recebe ferro.