Barack Obama é um presidente canhoto. É o oitavo líder no mundo livre – assim como os americanos gostam que seu país seja rotulado – a escrever com a mão esquerda, e, além disso, gosta de ouvir os irlandeses do U2 nos fins de semana. O fato é que a presidência de Obama trouxe a tona uma série de questões pertinentes sobre a categoria. Por exemplo: uma das conotações de canhoto é “sinistro”, perigoso. E “canhoto” é sinônimo de demônio. Nos templos da Inquisição, eles eram considerados mensageiros da morte, praticantes de bruxarias e enviados do Diabo. Está no Bíblia: “a mão direita de Javé faz proezas!”, e assim o termo “direita” se relaciona ao correto, ao justo e ao bom, e o “destro” à destreza. Para piorar, há quem acredite que Alá tem duas mãos direitas. Num mundo assim, os canhotos têm que se virar. Aproximadamente 90% da população é destra, os demais abrem as latas com dificuldades, mancham os dedos de tinta de caneta, se entortam inteiros para usar tesouras. As carteiras escolares em geral têm apoio de um lado só, obrigando o canhoto a se encurvar para escrever. Réguas, fitas métricas, agendas telefônicas, teclados, todos seguem a ordem tradicional da esquerda para a direita. Não faz tempo que foram lançados no mercado relógios que correm no sentido anti-horário, para quem vê o mundo no esquema invertido. Os canhotos se defendem, inclusive falando de sua “superioridade”: muitos crânios da tecnologia da informação são canhotos, assim como metade dos Beatles (Paul e Ringo) e dois dos três astronautas da Apolo 11 (Neil Armstrong e Buzz Aldrin). Leonardo da Vinci também era canhoto. Aliás, o primeiro passo do homem na lua foi com o pé esquerdo. Reza a lenda que os ursos polares são todos canhotos e que os papagaios usam o pé esquerdo com notável habilidade. Além disso, os canhotos enxergam melhor debaixo d’água e pensam mais rápido em tarefas que exigem intensa troca de informações entre os dois lados do cérebro. Do modo como os americanos gostam de estufar o peito e falar, à maneira dono do mundo: o mundo vai mudar de mão. Donald Trump e Hillary Clinton são destros. Se o “mundo” ficar na mão de Donald Trump, prefiro o mundo à esquerda.