_DSC0234-2 Em Santa Catarina, 43,7% dos consumidores esperam que este ano seja de melhora na economia, ainda que para 35,9% o ano será de piora se comparado a 2015. No lado dos empresários, 46% têm boa expectativa para as vendas. Os dados são da pesquisa de Perspectiva do Consumidor e do Empresário para o ano de 2016, divulgada ontem pela Fecomércio-SC. A entidade ouviu pessoas de Chapecó, Lages, Florianópolis, Criciúma, Joinville, Itajaí e Blumenau, dando um panorama da situação no Estado. “Apesar do cenário negativo que vivemos em 2015 e que vem se desenhado para 2016, o ano inicia com esperanças de melhorias no setor. Para o empresário do comércio será um ano de recuperação, mas não de grande ritmo de crescimento, como o que se via até 2012. Confirma essa ideia o fato de que 75,9% não pretendem ampliar o quadro de funcionários neste ano. Tudo indica que 2016 seguirá com a baixa criação de vagas no comércio e adequação à nova realidade econômica”, afirma o presidente da Fecomércio SC, Bruno Breithaupt. Nas metas para 2016, os consumidores de Santa Catarina primeiramente pretendem economizar (36,7%). Em seguida, aparecem aqueles que pretendem comprar um imóvel (13,4%), reformar a casa e comprar um automóvel (ambos com 9,6%) e estudar com 7,6%. Portanto, a casa própria continua sendo o grande sonho do consumido catarinense. Com os custos elevados, dado os altos juros (a taxa Selic está em 14,25% ao ano) e o volume de vendas reduzido (o comércio catarinense viu o faturamento cair 2,1% de janeiro a novembro do ano passado), 69,4% dos empresários entrevistados afirmaram que não realizarão investimentos em 2016. Desse modo, a cautela vigorará neste ano. Contudo, 12,9% pretendem ampliar o estabelecimento e 11,4% pretendem abrir novas lojas. Por fim, a maioria dos empresários ouvidos não pretende diversificar o negócio (61,1%), enquanto que 32,4% pretendem adotar essa estratégia no ano de 2016. Previsão de queda Enquanto os catarinenses se mostram mais otimistas, o mercado não dá sinais de recuperação na economia brasileira em 2016. O boletim do Banco Central divulgado ontem trouxe expectativa de queda de 3,21% no PIB neste ano. Outros analistas, como os do Bando Itaú, esperam retração de 4%. A inflação deve ficar mais baixa, terminando 2016 em 7,56% - acima da meta estipulada pelo governo.

* * *

Posse na CDL

O empresário Marcelo Nasato, 33 anos, assume oficialmente hoje a presidência da Câmara de Dirigentes Lojistas de Jaraguá do Sul. A solenidade ocorre às 20h no Espaço Panorâmico do Centro Cultural da Scar. Resgatar a decoração natalina foi citada novamente em nota à imprensa como meta para não se abrir mão em 2016.

* * *

2.378

Foi o número de operações de penhor que a Caixa realizou nos últimos três anos em Jaraguá do Sul, resultando em um volume de negócios no valor de R$ 2,052 milhões. As negociações são feitas pelo banco com clientes que tenham joias, metais nobres, utensílios e objetos não perecíveis de valor para serem usados como garantia na captação de crédito.

* * *

6%

É a previsão de inflação para 2017, segundo relatório do Banco Central divulgado ontem. A expectativa aumentou 0,2 pontos em relação à semana anterior. O crescimento do PIB caiu de 0,7% para 0,6% no ano que vem.

* * *

Indústria pela educação

Levantamento da Fiesc (Federação das Indústrias de Santa Catarina) mostra que 62,5% das empresas realizam ações de educação com seus trabalhadores. A partir da adesão ao movimento a Indústria pela Educação, 33,9% ampliaram a oferta de educação aos funcionários, em especial entre as de grande e médio porte. Por outro lado, 47,8% mantiveram as mesmas atividades no setor. A pesquisa envolveu 115 indústrias, que respondem por 54,8 mil empregos no Estado.

Educação é necessária

Sobre os resultados da pesquisa sobre educação nas indústrias, o estudo da Fiesc conclui: “As indústrias participantes da pesquisa possuem uma clara noção da importância da elevação da escolaridade básica e da qualificação profissional, tanto para a própria empresa como para o trabalhador, percebendo o Movimento A Indústria pela Educação como um forte aliado na busca de soluções para os problemas relacionados com a falta de trabalhadores qualificados.”

83,5%

É o percentual de indústrias do Estado que pretendem investir em educação profissional, especialmente em cursos técnicos (75,6%), nos próximos cinco anos. O levantamento é da Fiesc entre empresas que aderiram ao movimento A Indústria pela Educação.

63%

É a meta que a Fiesc tem para trabalhadores com educação básica nas indústrias, através da mobilização. O objetivo é chegar a 100% em 2024. A entidade quer, inclusive, que todo trabalhador do setor tenha educação profissional e tecnológica compatível à função.

* * *

Energia mais barata

Os reajustes nas tarifas de energia elétrica para 2016 deverão resultar em redução média de 0,2% para os consumidores residenciais brasileiros em 2016, com os estados do Sul, Sudeste e Centro-Oeste registrando quedas na conta de luz, beneficiados por chuvas nas áreas de hidrelétricas. A análise é da consultoria TR Soluções. Com a evolução da hidrologia, o governo agora acha possível ter ainda neste ano a bandeira verde, quando não há cobrança adicional. O Banco Central estimou que os custos da energia elétrica subiram 52,3 por cento em 2015 e projetou anteriormente uma alta de 3,7 por cento em 2016, ainda considerando a vigência da bandeira vermelha.

PAC reduz investimentos

O valor inicial do orçamento de 2015 para o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de R$ 7,5 bilhões, foi reduzido para R$ 5,1 bilhões, mas as contratações, segundo o Ministério das Cidades, somaram apenas R$ 2,138 bilhões.