Biofilia na arquitetura, você sabe o que é, e como surgiu?

foto: divulgação

Por: Eixo 11

20/02/2024 - 09:02 - Atualizada em: 20/02/2024 - 15:59

 

A biofilia na arquitetura se baseia no fato que as pessoas possuem uma conexão natural com a natureza, e que incorporar elementos naturais nos ambientes construídos pode melhorar o bem estar, a saúde e a produtividade das pessoas.

O termo “biofilia” foi popularizado pelo biólogo Edward O. Wilson na década de 1980. Na arquitetura, essa abordagem busca criar espaços que estimulem e celebrem a relação entre as pessoas e o ambiente natural.

A aplicação da biofilia na arquitetura residencial, integrando elementos naturais nas edificações, não apenas cria ambientes mais agradáveis, mas também pode contribuir para a saúde física e mental dos moradores. Em um mundo pós-pandemia, houve a valorização do lar, e que as residências promovam o bem-estar, através de ambientes conectados com a natureza.

Conheça os principais elementos desta prática e como usufruir deles em sua casa:

Casa integrada com elementos naturais: a biofilia na arquitetura envolve a incorporação de elementos naturais nos projetos. Isso pode incluir o uso de luz natural, ventilação adequada, vistas para a natureza, água, plantas e materiais orgânicos.

Iluminação natural: a maximização da luz natural é crucial na biofilia. Projetar espaços que permitam a entrada abundante de luz do sol não apenas economiza energia, mas também cria uma atmosfera mais saudável e agradável.

Espaços verdes e vegetação: a introdução de plantas e áreas verdes dentro e ao redor das residências é um aspecto fundamental. Jardins internos, telhados verdes e jardins verticais (paredes verdes) são maneiras de trazer a natureza para o ambiente construído.

Uso de materiais naturais: a seleção de materiais de construção naturais, como madeira, pedra e outros elementos orgânicos, não apenas adiciona uma estética natural, mas também cria uma conexão tátil e visual com a natureza.

Design bioclimático: a biofilia abraça o design bioclimático, considerando as condições climáticas locais para criar espaços eficientes em termos de energia, que respondem às variações sazonais e climáticas. Visa criar espaços construídos que aproveitem ao máximo os recursos naturais disponíveis, como luz solar, ventilação e calor, proporcionando o conforto térmico e a eficiência energética. Isso envolve a consideração de fatores como orientação solar, ventilação cruzada, isolamento térmico e o uso de materiais sustentáveis para minimizar o impacto ambiental. O design bioclimático integra características do ambiente natural ao projeto arquitetônico, promovendo a eficiência energética e o conforto ambiental.

Água como elemento de design: incorporar características de água, como fontes, lagos ou mesmo sistemas de coleta de água da chuva, pode criar uma conexão emocional com a natureza e também melhorar a qualidade ambiental do espaço.

Vistas para a natureza: projetar espaços que ofereçam vistas para ambientes naturais, como montanhas, florestas ou corpos d’água, proporciona uma sensação de expansão e tranquilidade.

Espaços de descanso e reflexão: Criar áreas destinadas à contemplação e relaxamento, como pátios internos, varandas ou jardins, contribui para um ambiente mais equilibrado e saudável.

Para uma casa, a incorporação de elementos biofílicos pode resultar em ambientes mais acolhedores, energizantes e que promovem uma maior senso de conexão com a natureza. Esses espaços podem ter impactos positivos na saúde mental e física dos ocupantes, proporcionando um refúgio tranquilo e inspirador.