É fim de tarde de domingo e Agnaldo, como de costume, vai ao supermercado comprar coisas para comer enquanto assiste o Fantástico. Ao chegar ao estacionamento, Agnaldo, como de costume, reclama sozinho: “O que toda essa gente vem fazer no mercado no domingo à noite? Não tem nada melhor pra fazer?” Depois de passear pelos corredores com sua cestinha, com seus quatro ou cinco itens, Agnaldo vai para a fila do caixa e, como de costume, fica vendo as capas das revistas em exposição. Atendente: Próximo. Agnaldo, como de costume, se distrai lendo as manchetes sensacionalistas das revistas e não ouve a atendente lhe chamar. Atendente: (Com um tom impaciente na voz) O próximo. Agnaldo: Olá. Que movimentado hoje, não é? Atendente: (Sorriso amarelo) o senhor tem cartão de pontos? Agnaldo: CPF da esposa. Já decorei rará. Atendente: (Sorriso amarelo). Agnaldo: Minha mulher queria pegar um secador de cabelo no fim do ano. Atendente: (Sorriso amarelo). Agnaldo: Barra de chocolate, bolacha recheada, Nutella, Pringles e Coca-cola. Super saudável minha janta, não acha? Atendente: (Sorriso amarelo). Agnaldo: Que movimento. Parece que a cidade inteira está aqui hoje! Atendente: (Sorriso amarelo). Deu sessenta e cinco reais e oitenta centavos. Agnaldo: Nossa! Que caro! Tem desconto? Atendente: (Sorriso amarelo). Agnaldo: Nunca vi alguém que ganhou desconto num mercado. Deixa eu ver... Pega, sessenta e seis. Atendente: Vinte centavos pode ser doação pro fundo de natal dos funcionários, senhor? Agnaldo: (Sorriso amarelo). Atendente: Pode ser, senhor? Agnaldo: (Sorriso amarelo). Atendente: Senhor, o troco pode ser doação? Agnaldo: Você acha que merece? Atendendo com essa simpatia toda? Não entendeu o “sorriso amarelo”? Atendente: Senhor, o mercado está cheio, é domingo, eu queria estar na minha casa, mas, ao invés disso, estou aqui ouvindo piadinhas, críticas e reclamações o dia todo de clientes como o senhor. Sinceramente, eu não me importo se o senhor vai comer batatas ou alface na janta, muito menos se sua mulher vai pegar um secador de cabelo no fim do ano. Quer saber, eu acho que merecemos, sim. (Sorriso amarelo). Agnaldo: (Sorriso amarelo). Atendente: Obrigado e volte sempre.