Ainda comemorando a vitória ontem (2) em meio ao discurso em que agradeceu seus apoiadores e criticou a postura agressiva e o que chamou de campanha mentirosa de seus adversários, o prefeito eleito, Antídio Lunelli (PMDB), fazia as contas da base que terá na Câmara de Vereadores. Dos 11 parlamentares, a Coligação Jaraguá Mais Forte fez sete, o que dará ao governo uma importante tranquilidade já no início da gestão. Antídio foi eleito com uma diferença de 13 mil votos em cima do segundo colocado, Ivo Konell (PSB). Novato na cena política, ele representa o perfil em alta atualmente com o eleitor. Empresário, com negócios bem estruturados, um homem que saiu do campo e que tem entre suas promessas fazer uma gestão eficiente, desburocratizando a máquina pública, fomentando a geração de emprego e renda. Aos aliados, o peemedebista tem dito que sonha em fazer uma gestão histórica e volta e meia cita como referência o ex-prefeito e um dos fundadores da WEG, Geraldo Werninghaus. Na primeira entrevista, agradeceu cada um dos apoiadores, ressaltando o papel do deputado Carlos Chiodini (PMDB), do vice Udo Wagner (PP) e do prefeito Dieter Janssen (PP). Nos próximos dias, será iniciada a transição. Antídio sabe que os desafios da gestão pública são ainda maiores do que na privada e por isso a partir de hoje terá que começar a formar uma equipe altamente qualificada tanto politicamente quanto tecnicamente. linha azul Governo para todos Antídio Lunelli fez um discurso emocionado logo após o fechamento das urnas, o que é humano e perfeitamente compreensível, visto que a campanha nas redes sociais muitas vezes ultrapassou os limites do aceitável. A baixaria foi o ponto fraco da disputa. Mas, a partir de janeiro, Lunelli terá que governar para todos, inclusive para os mais de 46 mil eleitores que optaram por outro candidato. Por isso, ele se referiu aos jaraguaenses, prometendo empenho para fazer a cidade crescer. linha azul A pesquisa A pesquisa eleitoral do Instituto Methodus, publicada pelo OCP há 10 dias, acertou a ordem de votação, do primeiro ao quarto colocado, e quase foi na mosca na diferença entre Lunelli e Konell. Segundo o levantamento, Lunelli vencia as intenções de voto por uma diferença de 13,7%, o que nas urnas de transformou em 15,33%.  Jair Pedri (PSD), que foi quem entrou com recurso contra pesquisa, aparecia com 18,08% e fez nas urnas 23,98%. No levantamento, os indecisos ainda somavam 14,08%. linha azul Os mais votados  A votação de Anderson Kassner à Câmara surpreendeu. Ele chega ao Legislativo pela primeira vez como o mais votado na eleição de 2016, tendo marcado 3.550 votos. Natália Petry (PMDB) foi a segunda mais votada, com 2.789 sufrágios, cerca de 900 a mais que alcançou em 2012, resultado do trabalho que desempenhou na atual legislatura. Natália continua sendo a única mulher na Câmara. linha azul Disputa de bastidor Na briga entre os deputados Carlos Chiodini (PMDB) e Vicente Caropreso (PSDB), vitória estratégica do primeiro. E com agravante que, assim como em 2012, os tucanos não souberam escolher a direção do voo. Estavam fechados com a coligação de Antídio Lunelli até os 45 do segundo tempo e decidiram em cima da hora indicar o vice de Jair Pedri (PSD) que tinha saído do ninho meses antes. linha azul Bom resultado para o PP Além de fazer o sucessor, o prefeito Dieter Janssen viu seu partido conquistar três cadeiras na Câmara (Anderson Kassner, Celestino Klinkoski e Eugênio Juraszek), uma a mais do que em 2012. Resultado muito comemorado pelo presidente do partido em Jaraguá do Sul, Ademir Izidoro, que também avalia que a sigla saiu vitoriosa na região, elegendo Luís Chiodini em Guaramirim,  João Gottardi em Corupá,  e fazendo parte da coligação de Dávio Léu em Massaranduba. linha azul Cinco reeleitos Como a coluna tinha avaliado, eleição mais curta e com menos recurso favorece quem tem mandato. Cinco dos 11 vereadores foram reeleitos, um a mais do quem em 2012 e em meio a uma campanha (sem sentido ao meu ver) para que não se reelegesse ninguém. linha azul BALANÇO Figuras tradicionais da política, embora tenham feito uma boa votação, não conseguiram conquistar uma cadeira na Câmara. Jaime Negherbon (PMDB) fez 1.512 votos e Irineu Pasold somou 1.031 sufrágios. ••• Dieter Janssen (PP) diz que ainda é cedo para pensar no futuro, mas com o resultado das urnas, vai largando bem no aquecimento para disputar uma cadeira na Assemblei Legislativa, em 2018. Se o cenário eleitoral desenhado nos bastidores for mantido, deve fazer dobradinha com Carlos Chiodini (PMDB), que vai despontando no Estado e tende a concorrer a uma vaga na Câmara Federal. ••• Emanuela Wolff (PMDB), não por acaso foi a mais citada no discurso de Antídio Lunelli. Assim como fez na eleição de Dieter Janssen (PP), desempenhou papel fundamental na vitória de Antídio. É uma grande liderança do PMDB. Nas casas de aposta, é cotada para chefe de gabinete. ••• Pela primeira vez, a Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul terá um cadeirante. Rogério Jung (PMDB) conseguiu assento na Casa com uma votação expressiva, 2.174 votos. Rogério ocupa o cargo de diretor financeiro administrativo da Secretaria de Educação. ••• PP e PMDB alcançaram três vagas na Câmara. Depois, PSDB e PSD ficaram com duas e o PTB, com uma. Entre os reeleitos, o tucano Ademar Winter, um recordista com sete mandatos. Em 2020, ele terá 32 anos de verança.