Alice do País da Sedução

Colunistas

Por: OCP News Jaraguá do Sul

quinta-feira, 10:53 - 04/02/2016

OCP News Jaraguá do Sul
O salão do clube estava iluminado e enfeitado com muito brilho, lotado de foliões. Eram rostos fosforescentes, de palhaços, baianas, piratas, colombinas e pierrôs, contornados com fitas e adornos de múltiplas cores. Cavalheiros e damas se movimentavam ao som da orquestra, que tocava marchinhas carnavalescas, maxixes e clássicos do samba em seus primórdios. Estavam vestidos com muito lamê, rendas e brocados, plumas e paetês. As mulheres usavam joias, muitas joias... “Quanto riso, oh, quanta alegria! Mais de mil palhaços no salão...” Era uma festa ambientada para reviver os antigos carnavais da alta sociedade carioca. Tudo ali conduzia ao contentamento e Alice, que recém havia escapado do País das Maravilhas, surgiu ali, naquela terra estranha, exótica, absolutamente original. Nunca tinha imaginado, muito menos visto nada parecido. Por isso permaneceu parada, observando discretamente, em dúvida se deveria entrar no salão, ou continuar espiando de fora. Não queria ser o centro das atenções. - Que lugar é esse que fala essa língua estranha?! E por que todo esse calor?! Nas mesas e no balcão de bebidas, os foliões entornavam os copos de cerveja, vodka, rum... Não se sentia somente no lugar errado. Sentia que havia avançado no tempo também e isso a assustava ainda mais. Nada de Chapeleiro Louco, com suas ideias originais, nem do Coelho (Não tenho tempo, não tenho tempo! Já está na hora do chá?), muito menos da desvairada Rainha (Cortem-lhe a cabeça!)... No lugar da floresta encantada, com animais falantes e dramas semelhantes aos dos humanos, pessoas que pareciam focadas única e exclusivamente na satisfação dos sentidos... Um rei bem nutrido de estatura mediana e vestindo roupas espalhafatosas circulava com seu séquito, saudando a todos. Segurava uma enorme chave em uma das mãos. Alice ficou se perguntando de que reino seria ele... Homens e mulheres mascarados dançavam e pulavam rodopiando, sozinhos, em grupo, ou formando “trenzinhos” que cortavam o grande salão. Em um dos momentos, Alice flagrou o olhar sedutor de uma mulher por trás do leque preto, ricamente bordado com pedrarias. Flertava com um homem do outro lado da pista. A nata da sociedade estava ali. Tudo muito elegante, muito fino, muito cool... Passados alguns minutos, um homem que vestia um impecável black tie abordou Alice, tímida e ainda indecisa se iria participar da festa. Fez um gesto com as mãos apontando para a pista de dança, convidando-a a entrar. Alice se vira para o homem, assustada. E enquanto procura se decidir, circunda com o olhar tudo à sua volta. Do fim da rua chega um som contagiante de batucada, de tambores, pandeiros e violões. Junto a eles estão homens e mulheres que dançam passos ritmados e desenvolvem movimentos sensuais em uma simbiose perfeita. Uma alegria genuína parece tomar conta de todos eles. Absolutamente fascinada pela cena, Alice involuntariamente sai da porta do salão e vai ao encontro do grupo de carnavalescos, para espanto do homem engomado de black tie... - Já sei! Eu deixei O País das Maravilhas e agora estou no País da Sedução! Aqui está bem melhor que naquele salão!, sussurra Alice para si mesma, com os olhos brilhantes e um largo sorriso. Estava decidida a se aproximar do grupo e a tentar aprender alguns passos daquele ritmo eletrizante.
×