A notícia que bombou no fim da tarde de sexta-feira (12)  foi sobre um ataque virtual ocorrido em ao menos 74 países, com “vírus de resgate” que exige dinheiro de empresas que tiveram seus servidores atingidos. Os ataques causaram a interrupção do atendimento do INSS no Brasil e atingiram hospitais públicos na Inglaterra. Os ataques usam vírus de resgate (ou “ransomware”), que inutilizam o sistema ou seus dados, até que seja paga uma quantia em dinheiro – entre US$ 300 e US$ 600 em Bitcoins. No Brasil, os ciberataques foram registrados na Petrobras, Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Tribunal da Justiça de São Paulo, Sergipe e Rio Grande do Norte, Ministério Público de São Paulo e Itamaraty. E é ai que eu pergunto: primeiro, você acha que as leis realmente tem vigor e robustez para punir com severidade os hackers que, a troco de dinheiro, conseguem invadir computadores e fazer barbaridades com seus arquivos? Se nem em homicídios praticados no dia a dia não temos uma pronta resposta no que tange a punibilidade, imaginem nos crimes virtuais. Chega a ser patético imaginar que isso acaba em pizza. Segundo, é inadmissível que sites como o do Itamaraty e do TJSP e MPSP não tenham investimento capaz de bloquear ataques virtuais. Isso é sambar na cara da justiça, é pisar no calo, cutucar a onça com vara curta, e sabem por que? Pela certeza da impunidade e da falta de pessoas capacitadas a chegar no autor dos ataques. Eu sempre digo que a oportunidade faz o ladrão e, expandindo a linha de pensamento, digo que assim como o hacker ataca por saber da impunidade, a menor pessoa o faz por saber que não ocorre nada, o maior mata por saber que está impune, você que está lendo às vezes bebe e dirige, pois sabe que nem sempre tem blitz, que quando tem o whats avisa e que em último caso tem fiança. Enfim, é sempre assim, todo mundo passa dos limites por saber da falta de punição. Por que em um colégio militar as crianças andam na linha? Pois do contrário são repreendidas! Por que antigamente se respeitava o professor? Porque caso contrário era ajoelhar no milho e reguada na mão (não que isso tenha que voltar, mas vale o exemplo) e assim por diante. Quando tivermos melhor punição, teremos mais medo e mais respeito às leis. É de direito, mas é ridículo Em São Paulo, como de costume, a assassina Suzane von Richthofen, condenada a 39 anos de prisão pela morte dos pais, deixou na manhã de sexta-feira (12) a Penitenciária Feminina Santa Maria Eufrásia Pelletier, em Tremembé, para a saída temporária dos Dia das Mães. Suzane tem direito a saída temporária porque é detenta do regime semiaberto e apresenta bom comportamento na penitenciária. Sabemos que lei é lei e tem que ser cumprida, agora que é uma vergonha, é. Não é, minha gente? A maldita manda matar os pais com requintes de crueldade e sai no Dia das Mães para ver o que? O túmulo da mãe que ela mandou matar a pauladas? Realmente existem fatos que me enojam, esse é um deles.