Saudades dos tempos de colégio quando que tínhamos que decorar a tabuada, saber ler corretamente observando as pontuações ou simplesmente saber na ponta da língua os nomes dos estados, suas respectivas capitais e até mesmo a que região eles pertenciam.

Durante esse período tive excelentes Professores, principalmente de Geografia que era uma das matérias que eu mais gostava.

Lembro com imenso carinho da dona Ruth Siems que foi minha Professora no Colégio São Luís, que além de Professora, era minha vizinha na casa em que morávamos na Reinoldo Rau. Dona Ruth era muito exigente, lembro de uma vez que não tinha feito a tarefa, e para tentar ganhar mais alguns dias, disse a ela que havia esquecido meu caderno em casa.

Então ela sugeriu o seguinte: “Quando chegar em casa, você me chama no muro e mostra o seu caderno.” Cheguei em casa e tranquei-me no meu quarto. De repente ouço o carro dos meus pais chegando em casa, e a voz da Dona Ruth chamando minha mãe que estava desembarcando do carro, enquanto isso espiava pela janela do meu quarto para tentar descobrir o que as duas conversavam.

Minha mãe entra em casa, bate na porta do meu quarto e diz: “Junior, a Dona Ruth está no muro esperando você levar o caderno com as tarefas que você esqueceu em casa!” Abri a porta do quarto e disse: “Mãe eu não fiz as tarefas!”

Minha mãe fez eu ir até lá no muro, conversar com a Professora e dizer pra ela que eu havia mentido, pois não havia feito as tarefas. Depois de ter feito isso, voltei pra dentro de casa e vocês devem imaginar o tamanho da bronca que eu levei da minha mãe.

Outra Professora de Geografia que lembro com o maior carinho é da Dona Jesmane Bortolini (Agora fiquei na dúvida como escrever o nome dela, se era com “J” ou com “G’, mas daí lembrei que era com “J”, quantas broncas levei por causa disso) e da didática que ela utilizava em sala de aula para decorarmos os Estados e Capitais, aonde ela chamava os alunos de forma aleatória, dizendo o nome dos Estados e tínhamos que falar quais eram suas respectiva Capitais.

Outro método utilizado pela Dona Jesmane, era colocar os mapas no quadro, o aluno ficava de costas para o mesmo e ela dizia: “Teresina!” e sem pestanejar, você teria que apontar no mapa o estado do Piauí.

Hoje, quando vejo um Deputado Federal falar durante uma audiência na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados, que o Estado do Mato Grosso do Sul pertence a região Sul do Brasil, fico perplexo e ao mesmo tempo, morto de vergonha. Pior que ele ainda teimou quando tentaram corrigí-lo.

Ainda por cima, um Deputado Catarinense, que por ser da região Sul, deveria obrigatoriamente saber quais os Estados que a compõe. Falo mais ainda, o tal Deputado, foi o que foi mais votado aqui em Santa Catarina.

Como eu li em uma rede social hoje: “Imaginem quando o Deputado e der conta que Jaraguá do Sul fica no Norte e Braço do Norte fica no Sul do Estado, capaz de dar um tilt na cabeça do hômi!”

É nessas horas que eu sinto como as coisas estão erradas. Dona Ruth e Dona Jesmane, trabalharam a vida toda como Professoras e com certeza, nunca receberam um auxílio paletó, auxílio moradia e um salário digno que faria jus a todo o conhecimento que repassaram durante o período do Magistério.

Enquanto aqueles que deveriam no mínimo saber o que falam como já cantava Renato Russo: “Falam demais por não ter nada a dizer!” e ainda de quebra, enchem nossa cara de vergonha. A tal “Vergonha Alheia” como se diz nos dias de hoje.

É minha gente, tem alguma coisa errada, que não tá certa...

E a vida segue.

No Pirata

Atenção povo do rock, final de semana se aproximando e o Pirata rock Bar, conhecido por ser o bar mais rock’n’roll da cidade se preparando com muita cerveja gelada, aquelas delícias do cardápio de dar água na boca e as melhores bandas para animar a noite da galera.

Nessa sexta-feira (17), quem faz o som é o Duo Acústico da banda Princípio Ativo. E podem crer, os caras vem com um repertório com o melhor do Pop e Rock Nacional e Internacional.

No sábado (18), quem sobe no palco do Pirata pela primeira vez, é Raulzito, direto de Joinville, com seu tributo ao mestre Raul Seixas, num formato acústico trazendo no repertório os sucessos do nosso querido maluco beleza. Toca Raulllll!

Lembrando que torna-se obrigatório o uso de máscaras ao circular pelo bar, álcool gel para higienizar as mãos e o distanciamento das mesas e pessoal. O público está limitado a 30% da capacidade da casa.

Ressaltando que as casas noturnas têm autorização de funcionamento para atendimento aos clientes exclusivamente sentados, permanecendo proibido o acesso à pista de dança e o consumo por parte de pessoas que estejam fora de mesas. As mesas poderão ter no máximo 4 pessoas.

Casa Treë

Mais um final de semana chegando na casinha mais simpática da Rua Domingos da Nova e a galera por lá já se preparando para receber o povo mais descolado da cidade para curtir muito hip hop, funk e as batidas da música eletrônica.

Na sexta-feira (17), o hip hop e o funk irão dar a temática da noite na Casa Treë. No comando do som, o DJ Deezy que fará o povo se agitar e curtir de montão os sucessos mais badalados do momento.

No sábado (18), quem desembarca na Treë é o DJ Pellis trazendo as batidas da e-music pra galera curtir pra valer, lembrando que tanto na sexta, como no sábado a casa Treë abre as suas postas a partir das 18h.

Para quem quiser, a casa Treë atende também pelo delivery, se você quiser provar as delícias da Casa, basta ligar para o número: (47)99700.7159, solicitar o cardápio e fazer seu pedido.

A casa Treë fica na Rua Domingos da Nova, bem ao lado da Studio FM.

Vamos embora que a litorina não espera.
Até semana que vem!