Bring me down, can’t none/
Bring me down, my level’s too
high/ Bring me down, can’t none//
Because I’m happy// Clap along, if
you feel like happiness is the truth”
(Happy, Pharrell Williams).

Uma das maiores preocupações de quem estuda os reflexos da tecnologia no cotidiano das pessoas é o afastamento que ela criou entre os próximos. É bastante comum observar em rodas de amigos os amigos
conversando com outros amigos pelo celular.

Em mesas de restaurante, pais e filhos mais concentrados nos seus smartphones do que na comida ou na conversa. Em shows e competições, os espectadores mais preocupados no enquadramento ou na selfie do que propriamente no evento.

As pessoas estão se ensimesmando, esquecendo de interagir, e há uma geração crescendo acreditando que isso é normal. Baladas estão perdendo a disputa com aplicativos de encontros! Claro, há vários fatores que levam a estas consequências, e o espaço é pequeno para essa análise.

Mas o fato é que a onipresença da internet trouxe este dilema. Porém, em meio a esses quase infinito deserto, encontram-se oásis. Tive o prazer de conhecer a história da sra. Catharina Regina Thiel, de Itapiranga.

A dona Regina, como é conhecida em sua cidade, desde sempre ajuda a comunidade, fazendo-se presente das mais diversas formas. Por isso, provavelmente, é tão querida na região. A dona Regina também é conhecida pelo seu alto astral e bom humor (“não tiro sonecas porque é coisa de velho, e eu não sou velha”).

A música "A oma Regina e o Whatsapp" de abertura do texto de hoje não foi escolhida à toa. Foi a primeira que me veio à cabeça depois de conhecer a história da dona Regina. A dona Regina tem 97 anos e foi apresentada ao WhatsApp recentemente.

Agora a conexão com filhos, netos, sobrinhos e sobrinhos-netos é diária. E ai de quem não responder suas mensagens de voz. Sua história é um oásis nesse deserto!

É a tecnologia fazendo o seu melhor e mais importante papel: o de aproximar pessoas, de trazer alegria ao dia a dia e de mostrar que de quem menos se espera podem vir as melhores lições. Para quem quiser conhecê-la, a dona Regina deixou um recado lá no Instagram.

Dona Regina parece ser o tipo de pessoa que cantaria verdadeiramente como Pharrell Williams: “Feliz, me abalar, nada pode. Meu nível está muito alto. Me abalar nada pode. Porque estou feliz. Bata palmas se você sentir que a felicidade é a verdade”.